sábado, 18 de junho de 2011

LRO, uma Viagem à Lua.

Hoje está fazendo dois anos que a Nasa, Agencia Espacial Norte Americana, lançou a sonda Orbital de Reconhecimento Lunar. A sigla é LRO (Lunar Reconnaissance Orbiter.

A LRO faz parte de um programa que procura estender a presença humana no sistema solar. O primeiro passo era fazer um retorno à Lua. Havia um pouco mais de dez anos que o EUA não fazia nenhuma missão com o objetivo lunar. A esperança é que esse retorno estimule as atividades científicas que abordam os questionamentos fundamentais sobre a história da Terra, sobre o sistema solar e o universo.

Entre os objetivos da sonda está o recolhimento de informações detalhadas sobre o ambiente lunar além de servir como teste para novas tecnologias, sistemas e operações que permitam a exploração espacial com risco reduzido, aumentando inclusive as missões à Marte e à outros planetas.

A sonda conta com instrumentos e uma demonstração de tecnologia. Entre eles está um telescópio de Raios Cósmicos para os efeitos da radiação. Ele caracteriza a radiação lunar e determina o potencial de impactos biológicos. Outro instrumento faz um mapeamento térmico dando informações detalhadas sobre as temperaturas de superfície e subsuperfície, identificando armadilhas frias e depósitos de gelo em potencial. Assim como os lugares onde há riscos de pouso, pedras ou terrenos acidentados.

Ano passado, quando a LRO completou um ano, a Nasa elegeu alguns registros mais interessantes que o equipamento fez. Entre eles estão:

- A descoberta de que o lugar mais frio do sistema solar descoberto até hoje, encontra-se em solo lunar. A sonda encontrou no fundo da cratera chamada Hermite, um lugar onde a temperatura chega a -248ºC. Para fazer uma comparação, a superfície do ex-planeta Plutão, era estimada pelos cientistas em -184ºC.

- O registro do local na Lua onde a Apollo 11 havia pousado, incluindo a parte do módulo que ficou no satélite. A sonda também registrouos rastros deixados pelos astronautas e equipamentos deixados para trás.

- O encontro da sonda russa Lunokhod 1 desaparecida desde 1971. Seus espelhos refletores ainda funcionavam perfeitamente.

- A revelação de que o chamado “lado negro” da Lua na verdade, não era tão escuro assim. O certo seria chamá-lo de “lado distante” da Lua pois ele recebe tanta luz do Sol quanto a face próxima.

Uma dica para quem quiser se aprofundar nas questões sobre o universo é o workshop "Ufos, abduções e a conexão espiritual", do ufólogo Marco Petit, que acontece nesse domingo no Rio. Ou então, sobre a própria sonda Orbital de Reconhecimento Lunar, acesse o site da Nasa


2 comentários:

  1. Cecile.

    Boa lembrança falar agora da Lunar Reconnaissance Orbiter, um projeto que envolveu o bombardeio do solo lunar pela espaçonave Lunar Crater Observation and Sensing Satellite. que se precipitou contra o solo da cratera Cabeus para mediante a explosâo gerada, e os detritos lançados ao espaçco, permitir a descoberta e confirmação da existência de água. Porém, mais que descobrir água na Lua, o projeto conjunto dessas duas espaçonaves detectou vestigios surpreendentes da presença alienígena em nosso satélite, como rastros de objetos movimentados em seu solo, ruinas de antigas cosntruções, e um complexo de estruturas artificias gigantesco nas proximidades do polo sul do satélite, conforme estão revelando as fotos, que estão sendo liberadas e postadas pela agência espacial mediante várias de suas páginas. Estas imagens, entretanto, apesar de disponibilizadas não são comentadas pela NASA, pois o sigilo em relação ao assunto pelo menos parcialmente (declarações oficiais), ainda é mantido.

    beijo,
    Marco Antonio Petit
    (co-editor da revista UFO)

    ResponderExcluir
  2. Vera do sullllllll18 de junho de 2011 20:10

    Olá!
    Que estes vestígios, fotos e resgistros sirvam para conscientizar a humanidade, no que diz respeito a RESPEITAR,VALORIZAR, CUIDAR mais do nosso planeta .
    Tenha um lindo domingo.
    Bjs

    ResponderExcluir

As 3+ visitadas da última semana