quarta-feira, 30 de junho de 2010

Eclipse começa hoje.

Hoje está previsto o lançamento no Brasil do filme Eclipse. É a adaptação cinematográfica do terceiro livro da série que trata de vampiros modernos e escrita por Stephenie Meyer.

Esta série literária, lançada em 2005, se tornou rapidamente um fenômeno à revelia da crítica. São cinco volumes: Crepúsculo, Lua Nova, Eclipse, Amanhecer e Sol da Meia-Noite.

Os vampiros dessa saga são bem diferentes dos estereótipos dos velhos vampiros. Eles não são mortos por alho, crucifixo, estaca no coração ou tampouco derretem sob a luz do sol. Eles só morrem esquartejados e queimados.

São vampiros bonitos e os que têm olhos vermelhos são os que se alimentam de sangue humano para sobreviver. Os que têm olhos dourados são os “vegetarianos” (bebem dos animais).

Mas nem todas as histórias de vampiro são só ficção. O vampiro de Bram Stoker, foi inspirado num personagem real: o Conde Drácula. Também conhecido como Vlad Tepes, um príncipe do século XV que vivia nas montanhas da Europa Oriental.

O nome Drácula vem da Ordem do Dragão, da qual Vlad fazia parte. E Tepes, que significa empalador, era como ele tratava suas vítimas.

O reinado de Vlad foi cruel e sangrento. Ele fez muitos inimigos enquanto príncipe da Wallachia, região da Romênia, pois era um defensor do cristianismo contra os turcos mulçulmanos.

Histórias sobre vampiros são bastante antigas e aparecem na mitologia de muitos países, principalmente dos da Europa e do Médio Oriente.

Também se diz que uma pessoa é vampira quando ela se alimenta da energia dos outros, dos quais extrai vitalidade e força. Vamos ficar então de olhos bem abertos porque há vampiros à luz do dia.

Mas ainda há uma dúvida. O por que esta saga de Stephenie Meyer está prendendo tanto a atenção dos adolescentes de hoje, inspirando legiões de fãs e dúzias de fan-sites? você sabe?




A imagem 1 veio daqui.

terça-feira, 29 de junho de 2010

A dupla do Cristianismo.

Hoje é dia de São Pedro e de São Paulo. A festa dos dois santos é uma das mais antigas e solenes do ano litúrgico.

Ambos são considerados fundadores da Igreja de Roma. Pedro, o pescador. Paulo, o mestre e doutor.

Ambos também tiveram seus nomes mudados por Jesus. A Simão deu o nome de Cefas, que em aramaico quer dizer rocha, de onde se originou Pedro. A Saulo deu o nome de Paulo, que significa pequeno.

Na Roma Antiga, o dia 29 de junho era dedicado aos dois mitos fundadores da Cidade Eterna: Rômulo e Remo. É provável que este dia de celebração pagã tenha sido cristianizado e transferido para os apóstolos Pedro e Paulo.

Pedro, discípulo ardoroso, é a rocha sobre a qual Jesus edificou a sua Igreja. Paulo, o missionário propagador do cristianismo, sendo chamado também de apóstolo dos gentios.

Enquanto Pedro com sua solidez, confirma a Igreja, Paulo o diálogo com todas as culturas.

São Pedro, padroeiro dos pescadores, ganhou a fama de ser um manda-chuva. Talvez pela passagem bíblica (Mt 16, 16:19) em que Jesus diz a ele: “Eu te darei as chaves do Reino dos Céus e o que ligares na terra será ligado nos céus. E o que desligares na terra será desligado nos céus”.

Ambos tiveram suas fraquezas, seus pecados mas a misericórdia divina os converteu. Pedro negou Jesus três vezes, enquanto Paulo perseguiu os cristãos. Arrependeram-se e compreenderam que Deus os havia escolhido como Pilares da sua Igreja.

Também nós não devemos perder nossa coragem nas fraquezas e nas tribulações da vida. Devemos ser fortes e sólidos como a rocha. Não esquecendo de levar sempre conosco a nossa fé.

A imagem 1 veio daqui.
A imagem 2 veio daqui.

segunda-feira, 28 de junho de 2010

A Deusa do Dia.

Hemera na mitologia grega foi a primeira deusa a representar o sol.

Filha de Nix, a noite, e de Érebo, a escuridão, esta Deusa era a personificação do dia e do ciclo da manhã. Era também a guardiã das fronteiras entre o mundo das sombras e o mundo onde chegava a luz.

Os gregos consideravam que o dia começava com o anoitecer e com a escuridão, portanto a noite precedia o dia. Isso explicava como e porque a união de Nix com Érebo resultou no nascimento do dia e da luz.

Também segundo esse mito, Hemera e suas irmãs, as Hespérides, nasceram para ajudar Nix a não se cansar. Todas estas deidades em conjunto conduzem a dança das Horas: Hemera traz o dia; as Hespérides trazem a tarde e Nix traz a absoluta Noite.

Hemera foi casada com seu irmão Éter que representa o ar elevado, puro e brilhante, respirado pelos deuses, também chamado de Céu Superior. Os dois juntos geraram, de acordo com Hesíodo, poeta da Grécia Antiga, deuses não antropomorfizados: a Tristeza, a Cólera, a Mentira, etc.

Hemera em grego significa claridade e o recado que ela nos deixa é que sempre depois da escuridão virá a luz. Portanto nunca desista de esperar por um novo amanhecer, mesmo que a noite lhe pareça trevosa demais. É só uma questão de horas.

A imagem veio daqui.

domingo, 27 de junho de 2010

O Imperador Pagão.

Nascido em Constantinopla, o Imperador Juliano foi um homem de notável formação intelectual. Morreu dia 27 de junho no ano 363 com a mesma idade que Alexandre, o Grande, tinha quando morrera.

Seu reinado durou apenas 20 meses mas ficou marcado pela pretensão de harmonizar a cultura e a justiça com os valores da antiga religião pagã de Roma. Os deuses da mitologia romana, assim como seus templos, estavam sendo “dizimados” da vida e dos corações romanos a favor do Cristianismo.

Juliano não concordava com isso. Tanto que ao subir no trono, embora tivesse sido batizado e educado no cristianismo, declarou ser pagão e adotou as antigas crenças greco-romanas. Com essa medida foi apelidado de Apóstata. Também introduziu diversas reformas, reduziu os impostos e proclamou a liberdade de culto.

Em seu Édito de Tolerância, pelo qual todas as religiões estavam em pé de igualdade, também convocou os bispos cristãos para lhes pedir que pusessem fim às suas perpétuas dissensões e praticassem entre si esse espírito de tolerância.

Os letrados, teurgos e filósofos pensaram que a primavera tinha realmente chegado. E que se veria renascer “a grande ordem dos séculos” anunciada aproximadamente quatro séculos antes por Virgílio, poeta romano. Juliano seria o “Mensageiro do Sol.”

É considerado o padroeiro dos neo-pagãos e hoje como é seu dia, mentaliza-se por todos aqueles que sofrem de intolerância religiosa pedindo ao Imperador inspiração para que cumpram com coragem e sabedoria a missão de cada um.

sábado, 26 de junho de 2010

Ufologia tem dia certo.

No último dia 24 comemorou-se o Dia Internacional da Ufologia.

O caso de avistamento que marcou esse dia no mundo aconteceu em 1947 quando o piloto civil americano Kenneth Arnold, que sobrevoava a região do Monte Rainier no Estado de Washington, viu no céu objetos voadores não identificados. Ele os chamou de “discos voadores”, expressão essa que logo foi adotada pela imprensa.

Dias depois, surgiram notícias sobre uma suposta queda de um disco voador que dariam origem ao famoso Caso Roswell.

O estudo da Ufologia no Brasil existe há mais de 60 anos. E a pioneira no assunto é Irene Granchi que passou a investigar os fenômenos depois que avistou um OVNI em Vassouras, no Rio de Janeiro, também em 1947.

O caso mais famoso da ufologia brasileira aconteceu em 1996 na cidade de Varginha, sul de Minas Gerais. Três jovens teriam visto um ser extraterrestre e mais algumas pessoas teriam avistado OVNIs na região. Sendo que militares teriam interferido e capturado tanto os seres quanto os destroços da suposta nave que teria caído.

Desde então os ufólogos têm sido incansáveis na busca de provas e depoimentos sobre o caso.

A Revista UFO é um dos meios mais seguros e abrangentes para se manter informado sobre o que acontece nesse campo de estudo. Ela foi lançada em 1985 na Academia Brasileira de Letras, durante um evento de ufologia. Pode ser encontrada nas bancas e acessada na web.

Em 2004, o editor da revista, A. J. Gevaerd, e mais uma comissão de ufólogos brasileiros lançaram a campanha UFOs: Liberdade de Informações, Já com o objetivo de solicitar ao Governo a abertura de seus arquivos X. Documentos oficiais já foram liberados. Mas ainda faltam muitos.

Para nós, terráqueos do terceiro milênio, o contato com essas naves, objetos voadores não identificados, que há décadas são objeto de estudo e pesquisa pode elevar não só nossa condição científica a um patamar universal como também abrir nossas mentes em relação ao cosmos, ao desconhecido, ao que está além dos limites físicos de que o homem é capaz de tocar ou captar com seus engenhos tecnológicos.

A imgaem 1 veio daqui.
A imagem 2 veio daqui.

sexta-feira, 25 de junho de 2010

A Conquista do Himalaia.

Hoje na Índia, celebra-se o Teej, Festival de Parvati, a grande deusa dos Himalaias.

Conta a mitologia hindu que ela era filha do Éter e do Intelecto e que regia os elfos e os espíritos da terra. Era considerada a personificação do Monte Himalaia sendo associada à várias deusas regionais ligadas às forças da terra, da natureza, da inteligência e da criatividade. E também era um dos aspectos de Devi, o lado feminino da Criação.

Na realidade, Parvati era Sati reencarnada. Sati era a amante de Shiva que havia se auto-incinerado e renascido no corpo dessa deusa. Esta lembrava-se do seu amor por Shiva e partiu em busca dele. Mas tão desolado que estava Shiva, havia se isolado nas cavernas geladas do Himalaia, que não reconheceu Sati em Parvati.

Mas a deusa dos Himalaias estava decidida a ficar com ele.

- Por que tu queres casar comigo? perguntou Shiva.

- Porque eu estou incompleta sem ti e tu estás incompleto sem mim, respondeu Parvati.

- Mas eu não tenho nada para lhe oferecer, disse Shiva.

- Eu não peço nada a não ser tu, respondeu Parvati.

A deusa tinha persistência, era bondosa e possuía o poder da Criação como seus atributos.

Até que um dia, finalmente Shiva a viu em sua essência constatando ser ela a sua amante perdida e a tomou como esposa. Tiveram dois filhos: Ganesha e Kartikeya.

Quando se casaram, Shiva e Parvati se tornaram as duas partes do Todo. Entre eles existia uma grande harmonia pois se completavam. Parvati era a pupila e Shiva o professor. As sagradas conversas entre eles revelaram os segredos dos Vedas, “Livro do Conhecimento” hindu.

Portanto, Parvati pode ser invocada para se aprender o equilíbrio entre o físico e o espiritual, para se buscar harmonia num relacionamento e realização do mesmo em todos os sentidos.

Talvez por isso hoje também se comemore o dia da alma gêmea. Diz-se que todo ritual de amor feito hoje tem um grande poder, se o amor for verdadeiro, claro.

Para atrair a sua alma gêmea os antigos magos ensinavam: escreva num papel tudo o que você espera do amor de seus sonhos. Depois queime-o na chama de uma vela amarela e então jogue as cinzas em água corrente. E aguarde, que o universo se encarrega de fazer acontecer !

A imagem 1 veio daqui.
A imagem 2 veio daqui.

quinta-feira, 24 de junho de 2010

Dia das Lanternas acesas.

Hoje tem festa de São João Batista. Meninas fazem simpatias procurando saber com quem e quando vão casar e depois fazem pedidos ao santo considerado casamenteiro.

Mais novo seis meses que seu primo Jesus, João foi um personagem bíblico típico e original. Se tornou um profeta na Judeia, se alimentou de gafanhotos e de mel no deserto, se vestiu com peles de camelo, pregou a vinda de um messias e introduziu a ideia do batismo pela água como um passo para a salvação.

Era um castigador da hipocrisia e da imoralidade. E pagou com martírio seu rigor moral. Sua cabeça foi servida numa bandeja à Salomé.

É o único santo a quem a Igreja Católica dedica festividade de nascimento. Além é claro de Jesus e de Maria.

Inicialmente, nos países europeus, esta festa chamava-se Joanina. Mas depois que chegou ao Brasil se tornou junina. Foi trazida pelos portugueses e logo incorporada aos costumes dos povos indígenas e escravos.

O aipim, o milho, forró, boi-bumbá entre outros, são influências brasileiras à festa. Dos franceses, tem a quadrilha inspirada na dança da nobreza europeia. A dança-de-fitas, é de Portugal e da Espanha. Enquanto que os fogos de artifício, foram trazidos pelos chineses.

Mas o maior símbolo dessa festa para os católicos é a fogueira. Isabel combinou com Maria que quando João nascesse ela acenderia uma fogueira sobre o monte para que a prima viesse ajudá-la. E assim foi feito.

As festividades do mês de junho já existiam no Hemisfério Norte em rituais pagãos para fertilidade do solo, aumento das colheitas e até para fazer chover. A fogueira também era acesa mas com o intuito de espantar os maus espíritos das plantações.

Já no Antigo Egito, invocava-se a luz e a força de Ísis para atrair renovação. As sacerdotisas da deusa desciam ao templo carregando lanternas que simbolizavam o momento em que Ísis chamou a Lua para ressuscitar seu amado Osíris.

Bem se vê que 24 junho é um dia iluminado. Fogueiras, lanternas, fogos de artifícios e tem mais. Foi neste dia que aconteceu a primeira aparição de Nossa Senhora de Medjugore, em 1981, na Iugoslávia.

Pelo visto, não é só São João que vai brilhar essa noite. Mas além de Ísis, Nossa Senhora, tem também a santa dos ciganos, Sara Kali. Em nome dela haverá uma corrente pela paz no Parque Garota de Ipanema, no Arpoador / RJ, para a construção de um mundo melhor. Para quem puder ir, a corrente será feita às 16 horas com queima de karma, bençãos e consagração das pessoas com pães, vinhos e frutas. Veja a programação aqui.

A paróquia de São João Batista no Rio também terá uma programação especial para hoje e nos próximos dias. Confira.

A imagem 1 veio daqui.
A imagem 2 veio daqui.

quarta-feira, 23 de junho de 2010

O Peregrino e um caminho.

O ato de peregrinar é muito antigo. Ocorre desde os tempos mais remotos quando predominavam os costumes ou ritos pagãos.

Ficou caracterizado por uma jornada que um devoto realiza para chegar até um local considerado sagrado pela sua religião. As primeiras peregrinações do Cristianismo datam do início do século IV e tinham por destino Roma e a Terra Santa.

A existência desses andarilhos fez surgir na Idade Média as Cruzadas, tropas militares que tinham como objetivo reconquistar as terras sagradas que foram tomadas por povos de outras religiões. A saber, os muçulmanos.

Também haviam os peregrinos pagadores de promessas alheias. Muito solicitados na fase medieval por famílias abastadas que lhes contratavam para em nome delas percorrerem os caminhos sagrados e assim consumar uma promessa, fazer um pedido ou agradecer uma dádiva.

Ainda hoje existe quem se disponha a fazer uma peregrinação para pagar promessas alheias. É só fazer uma busca na internet.

Peregrino também é uma denominação simbólica daquele indivíduo que ingressa ou persiste numa senda ascensional. E também pode referir-se à nossa “parte imortal” que sobrevive ao corpo e ao tempo terrenos. Essa “parte” é como se fosse nosso núcleo.

Talvez por isso todo caminho, seja ele sagrado ou real, desperte no peregrino uma experiência maior de autoconhecimento. A verdade é que muitos realizam essa empreitada em busca de respostas, intuições e/ou motivações. A peregrinação acaba dando ao caminho um sentido e valor que só é descoberto por aquele que o executa.

A peregrinação também pode nos ser imposta pela vida. Há quem seja levado a trilhar alamedas que não escolheu. Mas não se engane, nenhum caminho é perdido ou te leva a lugar nenhum. E nem existem atalhos nessa jornada quando nos dispomos a vivê-la.

A palavra de ordem do peregrino é avançar, mesmo que ele não saiba o por quê. Talvez encontremos a resposta na origem do nome. Em latim, peregrino quer apenas dizer “aquele que atravessa os campos”.

E para quem quer se aventurar como peregrino mas não pode fazer um caminho real no momento, existe um jogo de autoconhecimento chamado Trilha do Peregrino que visa facilitar a busca por respostas, intuições e motivações.

A imagem 1 veio daqui.
A imagem 2 veio daqui.

terça-feira, 22 de junho de 2010

Santo dos Políticos.

Quando ouvimos o nome Thomas More, a primeira associação que nos vem à cabeça é o seu livro mais célebre: Utopia. Muito raro alguém comenta: foi um santo homem. Ou melhor: é um santo.

Mas é a pura verdade. É um santo. Foi canonizado em 1935 pelo Papa Pio XI.

Não chegou a ser padre mas morou quatro anos num mosteiro. O suficiente para decidir-se pelo matrimônio. Tinha muito bom humor, era caseiro e dedicado à família.

Usava por baixo de suas roupas uma camisa cilício, especie de cinto de martírio que possui arames para mortificação do corpo.

Mas a sua santidade não teve origem só nessa penitência. Nem no fato de levantar-se todos os dias para rezar e estudar às duas horas da madrugada e assim ficar até às sete horas da manhã, quando ia à missa.

Thomas More nasceu em Londres, na Inglaterra, em 1478. Aquariano, foi homem de estado, diplomata, escritor, advogado e juiz. Ocupou vários cargos públicos, e em especial, o de Chanceler do Reino de Henrique VIII da Inglaterra.

Tudo começou quando Henrique VIII fundou o anglicanismo, religião oficial da Inglaterra, para poder se casar de novo contrariando todas as leis da Igreja que se baseiam no Evangelho, e que reconhece a indissolubilidade do matrimônio.

More era católico fervoroso e não aceitou a nova religião. Pediu demissão de seu cargo e não foi à coroação de Ana Bolena, nova esposa do rei, e por isso não prestou juramento de fidelidade aos descendentes do casal. Por esse motivo, Henrique VIII condenou More à prisão perpétua e depois à morte por crime de alta traição. Foi decapitado em 1535.

A sua execução foi considerada uma das mais graves e injustas sentenças aplicadas pelo Estado contra um homem de honra. No momento da execução suplicou aos presentes que orassem pelo monarca e disse que "morro como bom servidor do rei, mas de Deus primeiro."

Pela sua fidelidade à Igreja é à própria consciência, More foi considerado um mártir e assim chegou à canonização. Ele representa a luta da liberdade individual contra o poder arbitrário.

No ano 2000, São Thomas More foi declarado "Patrono dos Estadistas e Políticos" pelo Papa João Paulo II. Viveu a sua intensa vida pública com humildade simples, caracterizada pelo proverbial «bom humor» que sempre manteve, mesmo na iminência da morte. É considerado como um dos grandes humanistas do Renascimento.

Tinha profunda paixão pela verdade. O homem não pode separar-se de Deus, nem a política da moral, eis a luz que iluminou a sua consciência.

Oração para pedir o bom humor.

Senhor, dai-me uma boa digestão e também algo para digerir.
Daí-me a saúde do corpo e o bom humor necessário para mantê-la.
Daí-me senhor, uma alma simples que saiba aproveitar tudo aquilo que é bom e que nunca se assuste diante do mal, mas, pelo contrário, encontre sempre uma maneira de pôr cada coisa no seu lugar.
Daí-me uma alma que não conheça o tédio, as murmurações, as mágoas e as lamentações; e não permiti que me preocupe excessivamente com aquela coisa complicada demais que se chama “eu”.
Daí-me senhor, o senso do bom humor.
Concedei-me a graça de apreciar tudo o que é divertido para descobrir na vida um pouco de alegria e também para partilhá-la com os outros.

Amém.

São Thomas More.

segunda-feira, 21 de junho de 2010

Solstício de Inverno.

Hoje se comemora o solstício de inverno no hemisfério sul. É quando as noites ficam mais longas que os dias.

A palavra solstício vem do latim sol (aquele que banha de luz a Terra) + sistere (parado, imobilizado). E marca a época do ano em que o sol atinge o máximo de afastamento angular do Equador.

Explicando melhor: a Terra gira em torno do sol e essa trajetória tem forma elíptica (um círculo achatado) com o astro rei no núcleo. Essa trajetória cria 4 pontos interessantes: dois pontos onde a Terra fica mais distante do sol e outros dois pontos de aproximação máxima do sol. Os pontos de afastamento chamam-se solstício e de aproximação, equinócio.

Dois solstícios ocorrem a cada ano. No hemisfério sul, o solstício de inverno tem lugar em 21 de junho, e o solstício de verão em 22 de dezembro. Os solstícios são inversos no hemisfério norte.

Esta data está relacionada ao signo de Câncer, signo que diz respeito as nossas raízes, de onde viemos. E é a entrada oficial do inverno aqui no hemisfério sul.

O significado deste dia revela um aumento da escuridão para que possamos trazer a luz de dentro de nós como um clarão para o mundo.

E aproveitando esse momento de iluminação planetária, entremos na corrente de meditação global prevista para o dia de hoje. É o chamado Terceiro Passo de um Ciclo de 12 meditações globalmente sincronizadas que antecedem 2012. O horário para mentalizar é 08h28m repetindo para si estas palavras: Eu sou a Paz.

E quem não puder fazer neste horário, não faz mal. A meditação vale para o dia todo.

A imagem 1 veio daqui.
A imagem 2 veio daqui.

domingo, 20 de junho de 2010

O Caldeirão Sagrado.

Hoje celebra-se a deusa celta Cerridwen, também conhecida como Grande Mãe ou Senhora. Ela é a detentora do caldeirão sagrado dos mistérios da vida e da morte.

Está associada à Lua e às suas fases pois naquele tempo acreditava-se que a energia que movia a Terra vinha da Lua e exercia influência na agricultura, nas colheitas, na gestação, na fertilidade feminina e até no poder de criação da vida.

Do interior do seu caldeirão emanam poções com as quais esta deusa comanda a sicronicidade de todo o universo e nele também intervém para ajudar seus seguidores.

É chamada ainda de Deusa Tríplice por simbolizar os três ciclos da vida: a donzela, a mãe e a anciâ. E quando seu aspecto é no corpo de anciã, representa o conhecimento de todos os mistérios que só a idade e a experiência podem proporcionar.

Conta a lenda que ela teve dois filhos. Uma menina linda e um menino muito feio. Para compensar a ausência de beleza do filho, Cerridwen quis lhe dar sabedoria. Preparou um caldeirão que precisou ser mexido durante pouco mais de um ano. Quando faltava pouco para ficar pronta a poção, as últimas gotas pularam nos dedos de Gwion, que era quem ficou encarregado de mexer o caldeirão. Instintivamente, Gwion levou os dedos queimados à boca e na mesma hora percebeu o erro que cometera.

Cerridwen ficou furiosa e saiu em seu encalço. Gwion fugiu e viveu uma caçada de gato e rato com a deusa até ser comido por ela. Nove meses depois Cerridwen deu à luz a um menino, o qual lançou ao mar num barquinho.

Um rico proprietário de terras salvou o bebê e lhe deu o nome de Taliesin que quer dizer semblante radiante. A criança reteve todo o seu conhecimento e sabedoria adquiridos pela poção. Quando cresceu, se tornou um talentoso e importante bardo.

Hoje é um dia para se pedir ao universo sabedoria para lidar com as dificuldades da vida e as limitações do nosso físico. É como se bebessemos da poção mágica de Cerridwen e dela obtivéssemos os segredos do universo. Alguns historiadores chegam a comparar o caldeirão desta deusa com o cálice do Santo Graal.

A imagem 1 veio daqui.
A imagem 2 veio daqui.

sábado, 19 de junho de 2010

A Deusa do Casamento.

Hoje é dia de Hera, a esposa do mais poderoso habitante do Olimpo.

Para conquistar Hera, Zeus apareceu para a deusa na forma de um cuco. Como era inverno, Hera se apiedou do bichinho que estava ensopado e congelado de frio. Pegou a ave cuidadosamente e a colocou junto ao seio para esquentá-la.

Imediatamente Zeus reassumiu sua forma normal e tentou amorosamente possuir Hera. Mas a união só foi consumada quando prometeu casar-se com ela.

A vida do casal era uma contínua discussão doméstica. Hera tentava em vão controlar a infidelidade do marido mas fracassava sempre. E este, a punia espancando-a ou amarrando-a. Por vezes, a fazendo pender do céu.

Por fim, se tornou submissa e dirigiu sua cólera às mulheres com quem Zeus namorava e aos filhos delas. Sua vingança lhes causava a morte, o sofrimento, a prisão ou o exílio.

Hera representa a maturidade e a dignidade. É a deusa das mulheres, do casamento e da maternidade. Teve quatro filhos com Zeus: Ares, Hephaestus, Ilythia e Hebe.

É chamada de “deusa do céu” e os templos onde ela era venerada eram construídos no topo das montanhas mais altas a fim de estar o mais próximo possível dela. Seu equivalente na mitologia romana é Juno.

A figura de Hera para o dia de hoje significa que embora não se aprove uma situação, é melhor que a deixemos seguir seu curso natural. Como se disséssemos: não há necessidade de perturbar a ordem.

Celebra-se este dia criando um ambiente agradável em nossa casa seja com música, uma vela aromática ou um incenso. Mentalize fortalecimento interior e crescimento espiritual. Nada é mais importante do que uma família bem cuidada e alimentada.

A imagem 1 veio daqui.
A imagem 2 veio daqui.

sexta-feira, 18 de junho de 2010

O Salmo da confiança.

O salmo 23 é um dos salmos da Bíblia mais lidos no mundo. É aquele salmo que nos encoraja, que nos dá força para enfrentar os obstáculos, superar os momentos difíceis e até horas de terror.

Foi escrito por David, que descreve Deus como seu pastor. Aquele que vai nos guiar e proteger.

Faz parte do Antigo Testamento e é provável que tenha sido escrito por volta do ano 1000 a.C. quando David estava num oásis, à noite, cercado por tropas de um rei inimigo.

SALMO 23, David.

1 O SENHOR é meu pastor, nada me faltará.
2 Ele me faz deitar em verdes pastos:
guia-me mansamente a águas tranqüilas.
3 Refrigera a minha alma:
Ele conduz-me pelas veredas da justiça por amor do seu nome.
4 Ainda que eu ande pelo vale da sombra da morte,
Eu não temeria mal algum, porque tu estás comigo;
a tua vara e o teu cajado me consolam.
5 Preparas uma mesa perante mim na presença dos meus inimigos:
Unge a minha cabeça com óleo;
minha taça transborda.
6 Certamente que a bondade e a misericórdia me seguirão todos os dias da minha vida:
e habitarei na Casa do SENHOR para sempre.


Os Salmos retratam a situação em que as pessoas se encontravam naquela época. Seus medos e aflições cotidianas, angústias e desejos. O que não é muito diferente dos dias de hoje. Pois as épocas podem até sofrer alterações com o passar do tempo, mas o espírito humano será sempre o mesmo.

A imagem 1 veio daqui.
A imagem 2 veio daqui.

quinta-feira, 17 de junho de 2010

Eurydice, musa de Orfeu.

Hoje celebra-se o dia de Eurydice, a amada de Orfeu. Ela era uma ninfa dríade, que inspirava o espírito das árvores, o carvalho. Tinha o rosto delicado e um passo tímido.

Conta a mitologia que Orfeu, filho de Apolo e da Musa Calíope, se apaixona pela ninfa e chamam Himeneu, deus do casamento, para abençoar-lhes a união. Mas Himeneu pressente que a felicidade de ambos durará pouco.

Logo depois das núpcias um sátiro vê Eurydice no campo e se encanta por ela. Tenta conquistá-la. E em fuga, assustada, pisa numa serpente que lhe pica o pé.

Não conseguindo permanecer viva, Eurydice é levada para as profundezas de Hades. Desesperado, Orfeu canta súplicas que fazem chorar até deuses e ninfas.

Seu canto era tão triste que ele consegue atravessar os portões do inferno fazendo todos os habitantes do submundo partilharem de sua dor. Hades comovido, cede e permite que Eurydice volte ao mundo dos vivos mas impõe uma condição: no caminho, Orfeu deve ir na frente e não olhar para trás.

Já chegando próximo à superfície, o coração inquieto de Orfeu não aguenta. Ele precisa ver seu amor e a procura com os olhos. Mas ao se virar para trás, Eurydice é arrebatada pelas trevas sendo tragada na escuridão com os braços estendidos para Orfeu.

Ele tenta mais uma vez salvar-lhe a vida mas não lhe permitem entrar novamente no mundo dos mortos. Então passa a viver à margem com seus lamentos aos rochedos e às montanhas.

Entregue à lembrança de seu infortúnio, Orfeu provoca a ira das donzelas Trácias que queriam seduzi-lo. Elas lhe atiram dardos que caem inermes aos seus pés. A música de Orfeu amansava até pedras que lhe fossem atiradas. Mas com a gritaria das mulheres o som da sua lira foi abafado e os projéteis a ele lançados o atingiram.

Orfeu finalmente vai ao encontro de Eurydice. E desta vez poderia contemplá-la sem ser castigado. Esse mito de Eurydice e Orfeu fala sobre a força do tempo, do momento oportuno para nos conscientizarmos e do valor da música como agente de transformação.

A imagem 1 veio daqui.
A imagem 2 veio daqui.

quarta-feira, 16 de junho de 2010

Ioga = unir, atrelar, juntar...

A Ioga que o ocidente conhece é uma forma de exercício que une o corpo e a mente. Mas na verdade, ela se propõe a realizar mais do que isso. Na Índia, de onde se originou há milênios, é um conceito que se refere às tradicionais disciplinas físicas e mentais associada às práticas meditativas do budismo e do hinduísmo.

O que a ioga procura proporcionar ao seu praticante é que ele seja capaz de adquirir um controle psíco-espiritual que resultará num estado de êxtase. E esse estado de êxtase irá conduzi-lo a uma percepção clara e correta do que eles chamam de verdades eternas.

A palavra Ioga vem do sânscrito e tem diversos significados. Para entender bem é melhor focarmos na raiz yuj da palavra. Yuj significa controlar, jungir, arrear, atrelar, prender, juntar, unir...

Exemplificando: ao atrelarmos o boi à uma carga ou jugo, significa que o estamos colocando em condições de trabalho. O mesmo com a ioga. Ao atrelarmos a harmonia interior do praticante de ioga com o Eu Superior, promovemos a união do homem com a Divindade. O praticante iluminado, tem acesso então às tais verdades. Ou melhor, estaria em condições de viver.

E ainda, a prática da ioga ajudaria a prevenir o que eles chamam de dispersões ou oscilações mentais: a doença, a apatia, a dúvida, a negligência, a preguiça, o sofrimento, a angústia entre outras.

Existem hoje dezenas de linhas diferentes de prática de ioga. Todas elas propõem caminhos diversos mas para se alcançar os mesmos objetivos. O importante é procurar seguir aquela que combina melhor com você.

Para quem se interessar e puder, nesta quarta-feira, dia 16 de junho, haverá uma aula de “Yogaterapia aplicada ao Yoga”, no bairro do Humaitá, Rio de Janeiro.

A imgaem 1 veio daqui.
A imagem 2 veio daqui.

terça-feira, 15 de junho de 2010

Mitologia Africana.

Como hoje o Brasil está voltado para a África, primeiro jogo que a seleção brasileira vai participar nesta Copa de 2010, vou falar sobre a mitologia africana.

Essa mitologia é muito diversificada tendo em vista a extensão do território africano. E a maioria das religiões tradicionais africanas são transmitidas oralmente dificultando assim o seu estudo. Alguns peritos já começaram a reconstruir o pensamento original dessas tradições. Mas há ainda muitas que são tribais e compostas por povos pré-tecnológicos.

As religiões tradicionais envolvem ensinamentos, práticas e rituais que dão estrutura às sociedades nativas da África. Às vezes dentro de uma mesma comunidade pode haver diferenças de percepções do sobrenatural. Mas estão dizendo a mesma coisa.

Seus seguidores reconhecem a existência de um Deus Supremo ou Demiurgo, que criou o Universo. E quase todas as histórias referem-se a um Deus, ou o filho de Deus, que uma vez tendo vivido entre os homens foi ofendido por eles e assim, retirou-se (o Deus) para os céus.

Uma parte dessa mitologia atravessou o Atlântico com os africanos escravizados e tornou-se uma mitologia mestiça nas religiões afro-americanas, afro-cubanas e afro-brasileiras.

Dentre as mitologias cito a Fon Daomeana que cultua o Vodu, a Congo e a Yorubá, dos Orixás. Esta última é onde se encontra a gênese de religiões como Santeria, Candomblé, Quimbanda, Umbanda, Batuque entre outras.

O que existe em comum a todas elas são os orixás. O que as difere é a maneira de como se pratica esse culto.

Confira alguns orixás e seus atributos:
* Exu, Orixá- guardião dos templos, casas, cidades e das pessoas, mensageiro divino dos oráculos.
* Ogum, Orixá do ferro, guerra, e tecnologia.
* Oxóssi, Orixá da caça e da fartura.
* Xangô, Orixá do fogo e trovão, protetor da justiça.
* Oxumarê, Orixá da chuva e do arco-íris.
* Iansã, Orixá feminino dos ventos, relâmpagos, tempestade, e do Rio Niger
* Oxum, Orixá feminino dos rios, do ouro e amor.
* Yemanjá, Orixá feminino dos lagos, mares e fertilidade, mãe de todos os Orixás de origem yorubana.
* Nanã, Orixá feminino dos pântanos e da morte.

Mas dentre as mitologias dos povos africanos, há uma curiosa. É a mitologia de Akan, um grupo étnico e linguístico da África Ocidental, que tem como divindade um espírito humano, descrito como uma aranha, ou uma combinação dos dois.

Se é lenda, alucinação, verdade religiosa, já não importa. O fato é que a força de algumas dessas mitologias africanas chegaram às Américas e ganharam espaço na vida e na cultura de outros povos. Influenciaram e ainda influenciam gerações de seguidores constituindo assim uma nova identidade para antigas tradições.

A imagem 1 veio daqui.
A imagem 2 veio daqui.

segunda-feira, 14 de junho de 2010

Aniversário das Musas.

Conta a mitologia grega que as Musas foram criadas para perpetuar com cantos e glórias a vitória dos deuses do Olimpo sobre os Titãs, filhos de Urano. Zeus, encarregado de criá-las, partilhou o leito com a deusa da memória, Mnemósine. Foram nove noites consecutivas e um ano mais tarde, tiveram nove filhas num lugar próximo ao monte Olimpo.

As Musas cantavam o presente, o passado e o futuro acompanhadas da lira de Apolo. No início eram apenas deusas da música e ninfas dos rios e lagos mas posteriormente suas funções e atributos foram se diversificando. Ficaram conhecidas como aquelas que inspiravam e estimulavam a criatividade dos artistas. O correspondente masculino seria o fauno, mas este não tem a mesma capacidade inspiradora na mitologia.

O templo das Musas chamava-se Museion. Mais tarde esse termo deu origem à palavra museu que acabou incorporado nas diversas línguas indo-européias como local de cultivo e preservação das artes e ciências.

As nove Musas:
Clio (musa proclamadora). É a musa da História e tem como símbolos o clarim heróico e um pergaminho parcialmente aberto.

Euterpe (musa doadora de prazeres). É a musa da poesia lírica e tem por símbolo a flauta. Ao seu lado estão papéis de música.

Tália (musa que faz brotar flores). É a musa da comédia. Vestia uma máscara cômica e portava ramos de hera.

Melpômene (musa poetisa). É a musa da tragédia. Usava máscara trágica e folhas de videira.

Terpsícore (musa rodopiante). É a musa da dança e também a que regia o canto coral. Alguns autores a chamam de mãe das sereias.

Érato (musa amável). É a musa da poesia lírica. Coroada de rosas segura um arco na mão esquerda.

Polímnia (musa dos hinos). É a musa dos hinos sagrados e da narração das histórias. Possui uma atitude de meditação com um dedo na boca.

Urânia (musa celestial). É a musa da astronomia. Coroada de estrelas possui um globo e um compasso.

Calíope (musa da bela voz). É a musa da eloquência. Teve dois filhos com Apolo: Himeneu e Iálemo. E com Eagro teve Orfeu, o célebre cantor da Trácia.

Hoje, como é o aniversário das Musas, é um bom dia para se conectar com elas e receber inspirações dos seus dons artísticos e musicais. Acenda um incenso, de preferência de Verbena, e coloque uma música antiga, medieval ou New Age. Imagine estas Musas dançando ao seu redor num campo verde e florido. Imagine que elas sussuram-lhe palavras de conforto e de inspiração. Depois, se puder, coma uma maçã ou uvas.

A imagem 1 veio daqui.
A imagem 2 veio daqui.

domingo, 13 de junho de 2010

Ser Pagão no mundo de hoje.

Até as últimas décadas do século passado o termo pagão ainda podia soar de forma pejorativa para quem não tinha seguido uma religião de batismo. Mais especificamente, para quem não era católico.

O termo vem do latim paganus e quer dizer camponês, habitante do interior, aldeão. Uma derivação dele remonta à época dos primeiros cristãos que o adotaram para identificar os não-cristãos. Pois como o cristianismo se propagou mais rapidamente nas cidades, os habitantes do interior foram os últimos a ser convertidos. Sendo que nem todos aderiram à nova religião. Pagão serviria como referência aos camponeses não convertidos.

Em outra derivação, pagão seria aquele que segue religiões e culturas populares panteístas indígenas ou nativas. Inclui também aqueles que cultuam a natureza e a vida por considerá-las sagradas.

Com o passar dos séculos, após a cristianização, esse termo ganhou uma conotação pejorativa. Mas hoje é bem aceito a todos que cultivam uma espiritualidade holística, xamânica e até politeísta.

Na América Latina, o neo-paganismo como alguns autores e pesquisadores o descrevem, começou a crescer a pouco mais de 20 anos quando houve uma crescente procura por temas ligados à bruxaria, magia e ocultismo. Mas na América do Norte e na Europa principalmente, já era um termo muito comum e bem difundido.

A Wicca, por exemplo, é uma versão moderna da tradição religiosa xamânica pré-cristã original que se desenvolveu na Europa. A fé praticada acabou se tornando uma mistura das religiões antigas e novas. E onde muitos santos locais são versões cristianizadas de divindades pagãs, como é o caso de Santa Brígida.

Bem, se você é pagão, neo-pagão, seguidor das religiões da Terra, da Natureza, dos muitos deuses e deusas da Natureza, hoje tem uma feira de produtos pagãos acontecendo em São Paulo.

Os produtos em exposição incluem incensos, estátuas, instrumentos mágicos e de rituais, óleos, cristais, túnicas, jóias mágicas entre outros. Na Feira, também você pode se consultar com oráculos e com profissionais de terapias alternativas.

E se você ainda não conhece a Wicca, é uma boa oportunidade de se aventurar num mundo inspirado nos ensinamentos e valores das Antigas Religiões.

sábado, 12 de junho de 2010

Santo Casamenteiro e Pregador.

Hoje é dia de se fazer pedidos a Santo Antonio. Principalmente se você está sozinho(a) e gostaria de mudar essa situação. Faça o pedido a ele hoje, e amanhã o presenteia com lírios como se ele já lhe tivesse atendido. Se não puder levar os lírios para uma igreja, os coloque num jarrinho na sua própria casa perto de uma imagem dele. Pode ser até um santinho de papel.

Há algumas curiosidades a respeito dessa fama de santo casamenteiro. Diz-se que quando houve a disseminação do Cristianismo pela Europa, no início da Idade Média, muitos santos e santas incorporaram atributos e características de crenças antigas e locais.

Realidade histórica ou distorção da mesma, a verdade é que Santo Antonio, também conhecido como Santo Antonio de Pádua, morou os últimos anos de sua vida numa cidade próxima à Pádua, na Itália. E nesta cidade, de Pádua, havia um gigantesco templo dedicado à deusa Ceres, protetora da agricultura e da fertilidade para os romanos. As mulheres de Pádua a procuravam quando queriam arranjar um marido e também para lhes trazer fertilidade. É bem provável que a fama de casamenteiro de Santo Antonio tenha vindo de sua associação com a proximidade de Pádua cuja idolatria à Ceres era grande.

A sua fama enquanto vivo era a de grande doutor do Evangelho e das leis. Um de seus apelidos era "martelo dos hereges". Há muitas histórias na vida deste Santo a respeito de suas pregrações e milagres. Tem o "sermão aos peixes", em Rimini, o "coração avarento dentro do cofre", em Florença, a "mula ajoelhada diante do Santíssimo", em Rimini também, dentre outros.

No entanto, a de casamenteiro acabou se difundindo mais em Portugal e no Brasil do que na Itália, apesar dele ter sido um pregador que arrebatava multidões com as palavras do Evangelho. O Papa Gregório IX o chamava de "Arca do Testamento". Até a sua imagem é retratada com os pés em marcha, um à frente do outro para simbolizar o seu espírito missionário. E ainda o livro em sua mão, representando o Evangelho. Já a criança em seu colo, algumas fontes dizem não ser Jesus, mas a representação das crianças por quem ele tinha enorme predileção. Quando Santo Antônio morreu, o lírio era a flor da estação na cidade de Pádua. Por isso ele ter um ramo dela em sua mãos.

Ele morreu no dia 13 de junho. Amanhã é que é O dia dele. Tanto que as igrejas vêm fazendo ao longo do mês de junho a Trezena de Santo Antonio, culminando amanhã. Mas hoje, dia 12, é O dia de se fazer o pedido amoroso. Até porque, é também Dia dos Namorados. Aproveite então a energia e o pensamento desta data que se voltam para o tema dos enlaces. Mas não esqueça de agradecê-lo antecipadamente. Quem sabe ele não o atenda com mais rapidez.

sexta-feira, 11 de junho de 2010

Hoje é dia de Fortuna.

Uma deusa romana que trazia com ela a sorte fosse esta boa ou má. Em algumas figuras ela era retratada segurando um leme de timoneiro, com o qual poderia dirigir o destino dos homens, uma cornucópia por onde fluía toda a abundância e um globo que simbolizava a oportunidade.

Mas a roda foi o símbolo mais usado da deusa pois servia como um lembrete de que a sorte pode não durar muito. Em um momento ela está no alto, em outro, em baixo. Isso quer dizer que não há certezas na vida a não ser a própria incerteza.

Era filha de Júpiter e Roma dedicava-lhe o dia 11 de junho. Naquela época os escravos eram excluídos das celebrações e dos ritos religiosos. Mas tinham permissão para assistir a este Festival dedicado à deusa da Fortuna. Uma forma de demonstrar que a sorte não respeita hierarquia e nem condição social.

Na mitologia grega, recebe o nome de Tique. A deusa que simbolizava tudo o que havia de bom e de ruim na face da terra, de forma aleatória, pois era representada com os olhos vendados, tal qual a figura da Justiça. Significava que todos os seres humanos tinham a mesma oportunidade de viver os ciclos da sorte e da má sorte que essa deusa trazia.

Muito conhecida é a carta de tarô da Roda da Fortuna. É a carta de número 10. O um (1) representa o primeiro passo, o movimento. E o zero (0) o fim, o retorno ao potencial absoluto.

Em algumas ilustrações de cartas de tarô vemos a roda dividida em 4 partes, como os pontos cardeais que representam a jornada do sol. Essa ilustração remonta à história do imperador Valeriano que em 260 d.C. foi humilhado pelo rei Shapur, da Pérsia. Foi o único imperador a ser preso e feito cativo. As representações enfatizam bem essa dualidade e instabilidade. Pode-se ler na carta: eu irei reinar, eu reino, eu reinei e eu não tenho reino.

A lição de que se tira disso é que o importante não é o que acontece com a gente, mas como lidamos com isso e o que aprendemos disso.

Originalmente a deusa da Fortuna estava ligada às mulheres. Era a protetora das colheitas e dos rebanhos além de auxiliar as mulheres na hora do parto. Tempos depois é que se tornou a personificação da sorte. Por que será?

De qualquer forma, hoje é um dia perfeito para se desejar a boa fortuna. Separe 11 moedas douradas e pingue umas gotinhas de óleo aromático nelas. Mostre-as ao sol para que brilhem por uns segundos enquanto mentaliza este brilho sendo atraído para você. Depois guarde as moedas num saquinho ou as embrulhe num lenço. Leve consigo durante todo o dia e no dia seguinte, dê as moedas para alguém necessitado.

Você estará fazendo o ciclo da Roda, do ir e vir, do ter e não ter, e ao mesmo tempo deixando fluir a sorte boa.

quinta-feira, 10 de junho de 2010

Aqui e Agora, ZEN.

Hoje eu vou pedir que você faça um exercício. Leia estas frases e medite sobre elas. São pensamentos inspirados na filosofia do zen-budismo.

Medite por alguns segundos cada uma, o que querem dizer. Mas não coloque emoção no pensamento. Apenas as escute dentro de você. E nem pense em usar a razão na busca de uma compreensão.

- Os mestres lhe abrem a porta. Mas é você que deve atravessá-la.
- Você deseja ser livre? Então, tem que desatar os nós. Resolva as pendências, aqueles pequenos nós no trabalho, na família e nas relações afetivas. Vá se livrando das coisas mal resolvidas, dos sentimentos amarrados e, aos poucos, você se libertará.
- Tenha medo de coisas reais. Você vai sentir medo quando se deparar com um leão. Mas não tenha medo da possibilidade de um dia encontrar um leão.
- Todas as pessoas no mundo buscam a felicidade, mas a felicidade não se encontra porque ela não está perdida. A felicidade é a maneira como enfrentamos as situações. Saber encarar as constantes mudanças e transformações da vida é o caminho para a felicidade.
- Há o caminho, mas ninguém para percorrê-lo.

Estas frases são do livro Aqui e Agora – 100 pensamentos zen-budistas para uma vida melhor, do escritor e jornalista Bruno Pacheco.

Na realidade, estas frases são pequenos koans. Contém aspectos que são inacessíveis à razão. Podem vir na forma de uma narrativa, diálogo, questão ou afirmação. O objetivo é que o aspirante a zen-budista encontre a iluminação.

E você, conseguiu?

quarta-feira, 9 de junho de 2010

O Fogo Sagrado de Vesta

Hoje é o dia da deusa Vesta, a divindade do lar e defensora da vida familiar. Na Roma Antiga, as mulheres casadas levavam ao templo da deusa oferendas de alimentos e asnos enfeitados com guirlandas.

Na mitologia romana, ela era a filha primogênita de Cibele e Saturno e por isso, a mais antiga e preciosa das deusas do Olimpo. Um juramento feito em seu nome era considerado o mais sagrado de todos.

Rejeitou várias propostas amorosas especialmente as de Apolo e Netuno, devido a sua vontade de permanecer casta.

Era considerada a protetora de Roma. Aquela que nunca abandona seu lar, o Olimpo, e jamais se envolve nas brigas e guerras de deuses ou mortais.

Trazia consigo a chama do Fogo Sagrado, que era mantido em seu Templo circular por seis vestais virgens. Elas vestiam longas roupas brancas com barras roxas e eram obrigadas a cumprir por trinta anos um voto de castidade. A vestal que quebrasse esse voto seria enterrada viva como forma de punição.

O Asno é o animal considerado sagrado para a deusa Vesta pois conta a mitologia que ele a teria defendido de ser atacada por Príapo, o deus da fertilidade.

Bem diferente de Vesta, que preferia ficar em casa e não se aventurar pelas estradas da vida, está o beato José de Anchieta, missionário incansável e Apóstolo do Brasil, cujo dia é comemorado hoje também.

Em sua época, Anchieta era chamado de o padre voador pois possuía grande disposição para caminhadas de pregações. Percorria duas vezes por mês uma trilha litorânea entre Iriritiba e a ilha de Vitória com pequenas paradas.

Esse trajeto tem cerca de 105 quilômetros e hoje vem sendo percorrido a pé por turistas e peregrinos, à semelhança do Caminho de Santiago de Compostela, na Espanha.

Na Puc do Rio de Janeiro haverá uma homenagem ao Beato com uma de suas mais importantes obras, o Poema à Virgem, escrito nas areias enquanto foi refém dos Tamoios.

Quem puder comparecer, será no dia 12 de junho e a entrada é franca.

terça-feira, 8 de junho de 2010

Dia Mundial dos Oceanos.


Salve Iemanjá, Rainha do Mar, Netuno ou Poseidon, Senhores dos Mares, as 50 nereidas, suas filhas, as ondinas, elementais das águas e as mitológicas sereias!

Hoje é o dia do habitat desse “povo” todo. É o Dia Mundial dos Oceanos oficializado pelas Nações Unidas a partir de 2009. Mas que já vinha sendo comemorado, mesmo que de forma não oficiosa, desde 1992 quando o Governo do Canadá o propôs durante a ECO-92, no Rio.

O tema deste ano é Oceanos da Vida. Nem preciso falar da importância dele. Mas não se engane de que este dia foi instituído para festejar sua existência e tudo a que ela nos contempla. Não!

É um dia para se refletir a ação do homem sobre esse vasto bioma que representa 70% do nosso planeta com uma biodiversidade que clama por atenção. Da sua preservação depende a sobrevivência do homem na Terra. Aliás, de todos os seres vivos.

Em várias partes do mundo realizam-se hoje eventos e atividades que dizem respeito à interação do homem com os oceanos. Você pode acompanhar algumas delas através do site The Ocean Project.

E ainda, se sentir um peixe entre os peixes ao assistir o documentário francês Oceanos. São imagens fantásticas que necessitaram de quatro anos de filmagens em mais de cinquenta localizações diferentes. Veja a programação.



Em tempo, a Faculdade de Formação de Professores da Uerj vai promover hoje em Niterói atividades de conscientização na praia de Icaraí, em frente a rua Miguel de Frias. Serão distribuídos folhetos informativos também sobre a saúde dos oceanos e da qualidade das praias de Niterói. Confira aqui a programação.

Faça a sua parte, divulgue o dia de hoje e denuncie ações predatórias e criminosas no mar. Quem sabe dentro de poucos anos ao invés de ser um dia de reflexão, 8 de junho se torne um dia de festa.

Pós-POST.

segunda-feira, 7 de junho de 2010

Silfos e o futuro.


A semana começa com o dia dos Silfos, elementais do ar. Seres mitológicos da tradição ocidental. Eles estão presentes seja no sopro do vento ou na força do furacão. E têm os cinco sentidos muito apurados. Talvez por isso a crença de que são capazes de nos ajudar a ver o futuro.

A indicação para que isso aconteça é que hoje, dia 7 de junho, você queime algumas ervas numa panela com água e se concentre na fumaça. É possível que cenas do seu futuro apareçam.

E quando estiver na rua, se uma pena de passarinho cruzar o seu caminho, pegue-a. Ao chegar em casa, acenda um incenso e passe a pena três vezes na fumaça dele. Depois guarde a pena consigo pois esta lhe servirá como um talismã da boa sorte.

A fumaça do incenso queimando também é uma boa pedida para se mentalizar uma mensagem que desejamos transmitir, ser levada pelos elementais do ar.

Diz-se que os Silfos não têm morada fixa. São elementais nômades pois vão ao sabor dos ventos. E uma das crenças é a de que eles vivem entre as nuvens e nas correntes de ar.

Os Silfos nos ajudam a ter clareza de pensamento e nos estimulam a descobrir nossas verdades interiores. Acabamos por perceber as causas de tudo o que nos acontece e conseguimos intuir os meios para tomar o controle da situação.

Então, passado o recado para o dia de hoje, vamos abrir os olhos. Tentar enxergar melhor o que está encoberto seja por nuvens, fumaça de incenso ou até nossos próprios pensamentos. O dia de hoje é do elemento AR. E porque não, vamos também aproveitar para sonhar e mentalizar uma boa semana em todas as áreas de nossas vidas. Mas de pés no chão, claro, para que possamos realizá-la. Deixe que os Silfos flutuem por nós.

domingo, 6 de junho de 2010

Oxalá: orixá da FÉ.


Hoje é o dia da semana regido por Oxalá, o mais importante, mais respeitado e valorizado de todos os orixás. Também chamado de nosso Pai Oxalá ou Obatalá.

Quem nasce num domingo recebe suas influências. São pessoas audaciosas, revolucionárias e incansáveis. A todo momento estão querendo criar coisas novas ou melhorar o que já existe. Herdam deste orixá o equilíbrio, a serenidade e o desejo de levar uma vida tranquila.

É o orixá que rege o céu, o mar e a terra. Seu poder é enorme. Foi da sua união com Iemanjá, que nasceram quase todos os outros orixás. É o portador da paz e da benevolência, símbolo da sabedoria, inteligência e engenho.

Se apresenta de duas maneiras: Oxalá jovem, chamado Oxaguiã, sincretizado com o menino Jesus, e Oxalá mais velho, chamado Oxalufã, sincretizado com o Sagrado Coração de Jesus, com a Virgem das Graças (no Caribe), com Jesus de Nazaré e o Senhor do Bonfim, no Brasil.

O símbolo de Oxaguiã é uma espada, chamada idá e sua cor é branco mesclado com azul. E o de Oxalufã é uma espécie de cajado em metal, chamado ôpá xôrô e tendo somente o branco como cor.

Seus dias de festa são 24 de dezembro, dia primeiro e 19 de janeiro. Mas essas datas podem variar de acordo com as linhas de transmissão. Até o seu dia da semana também varia. Há quem diga que é quinta-feira ou sexta-feira.

Oxalá traz a memória de outros tempos, as soluções já encontradas no passado para casos semelhantes. É o orixá que representa o conhecimento empírico. É o responsável pela existência de todos os seres do céu e da terra.

O seu campo de atuação é a religiosidade dos seres. Ele estimula a fé nas pessoas. É o nosso Cristo interior. Fé seria a palavra que melhor define Oxalá.

Vinícius de Moraes e Toquinho compuseram a música Meu pai Oxalá. Deixo com vocês duas versões. Uma cantada pelo próprio Toquinho e outra pelo grupo Moinho.



sábado, 5 de junho de 2010

Dia Mundial do Meio Ambiente


Você está convidado a fazer parte da celebração ambiental mais abrangente do mundo!

Liderado pelo Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente, o Dia Mundial do Meio Ambiente (WED, na sigla em inglês) acontece todo ano no dia 5 de junho.

O WED significa se tornar "verde" e tomar atitudes em prol da proteção do meio ambiente para as futuras gerações. Vale tudo, desde pequenas atividades individuais e escolares até grandes iniciativas de comunidades e corporações multinacionais.



O WED 2010 ao redor do mundo

A urgência por um melhor gerenciamento da riqueza de espécies e ecossistemas do planeta é a mensagem do WED 2010. Mesmo com resultados promissores oriundos de esforços para a conservação em diferentes partes do planeta, espécies estão se extinguindo em um ritmo muito rápido e isso, em sua maior parte, se deve à atividade humana.

Tendo como tema "Muitas espécies, um planeta, um futuro", o WED 2010 objetiva
mobilizar mais pessoas do que nunca em uma ampla gama de atividades que concentram-se na conservação da biodiversidade - desde eventos de plantio de árvores em escolas até mobilizações de limpeza do bairro, campanhas verdes nacionais e internacionais e muito mais.

A Ruanda, na África, será a anfitriã global das celebrações do WED 2010 no dia 5 de Junho. Além disso, celebrações, regionais, nacionais e locais marcarão o WED e a semana do meio ambiente em todo o mundo.

Como participar?

As possibilidades são infinitas. Pode-se organizar um mutirão de limpeza da sua vizinhança, convencer a sua comunidade a parar de usar sacos plásticos, caminhar até o trabalho, iniciar uma unidade de reciclagem, plantar árvores ou até mesmo organizar um esforço coletivo de plantio de árvores.

Junte-se ao WED 2010, fale mais alto pelo planeta e convide a sua comunidade a aderir às ações individuais e coletivas para um estilo de vida mais sustentável!

Você pode acessar o site oficial do WED 2010 para saber mais sobre os eventos que acontecerão no mundo todo.

E não esqueça de registrar a sua atividade também!

É isso aí. Quem puder colabore por um planeta mais saudável.
Esse texto veio deste
link.

sexta-feira, 4 de junho de 2010

Evangelho no Lar.


Se você procurar a definição de lar no dicionário vai encontrar além de moradia familiar e pátria, uma descrição bastante curiosa: local onde se acende o fogo na cozinha.

Entendeu esse significado de lar? Talvez você responda: é o fogão, claro!

Mas arriscando uma interpretação metafísica, que me perdoe Houaiss, eu diria que como é na cozinha a parte da casa onde as pessoas se alimentam, e é lá também onde se acende o fogo para se cozinhar, então lar bem poderia ser uma forma de alimentar o espírito das pessoas com o calor do fogo.

E talvez daí cheguemos a uma definição mais próxima do que sentimos. Lar é o lugar onde as pessoas recebem luz juntas. Onde as pessoas se sentem próximas uma das outras, sentem esse calor e disso se alimentam.

Lar não é só uma casa, moradia. Lar denota sentimento. É lembrança de calor humano, de aconchego. De busca de essência, de força, de luz para o espírito das pessoas.

Chegando a essa conclusão, fica mais fácil entender porque a leitura do Evangelho no Lar tem o objetivo de agregar, unir, harmonizar, proteger, amparar... O Evangelho prega toda a filosofia da caridade e da humildade de Jesus Cristo. Nada mais forte do que a palavra dele para iluminar e alimentar.

O culto ao Evangelho no Lar não faz restrições quanto ao número de participantes. Pode-se fazer até sozinho. É uma espécie de reunião familiar com hora, local e dia da semana fixos.

Mas existe um roteiro que deve ser seguido para a prática desse culto. Um dos participantes faz uma prece de abertura. Depois, lê-se um trecho do Evangelho Segundo o Espiritismo e as pessoas fazem um comentário a respeito. No final, uma prece encerra a reunião. A duração do culto deve ser entre 10 a 20 minutos. Não mais do que isso.

O Evangelho no Lar quando praticado fielmente, acaba por atrair espíritos superiores que orientam e amparam, estimulam e protegem a todos os moradores daquela residência. A presença de espíritos iluminados afasta aqueles de índole inferior. Diz-se que essa proteção vai mais além. Um quarteirão inteiro, por exemplo, pode se beneficiar de uma única casa que faça o culto semanal.

Se você não é adepto do Espiritismo, faça o culto com textos de sua religião. A Bíblia, o Torá... não importa o credo. Vale a intenção de agregar, unir, alimentar o espírito humano.

Quer saber passo a passo de como fazer o Evangelho no Lar?
Acesse Evangelho 1 e Evangelho 2.

quinta-feira, 3 de junho de 2010

A Festa de Deus.


Chamado de Corpo de Cristo, o dia de hoje é uma celebração ao mistério da Eucaristia. A origem desta solenidade remonta ao século XIII quando uma freira teria tido visões de Cristo demonstrando-lhe o desejo de que a Eucaristia fosse celebrada com mais destaque.

A ‘Fête Dieu’ (Festa de Deus) começou na paróquia de Saint Martin em Liège, em 1230. E em 1247, aconteceu a primeira procissão eucarística pelas ruas, já como festa da diocese. Depois se tornou festa nacional na Bélgica.

A celebração de Corpus Christi foi decretada pelo Papa Urbano IV em 1264 e escrita por São Tomás de Aquino. Na época, teve pouca repercussão, porque o Papa morreu logo depois. Mas se propagou por algumas igrejas, como na diocese de Colônia na Alemanha, onde Corpus Christi é celebrada desde antes de 1270. A procissão surgiu em Colônia e difundiu-se primeiro na Alemanha, depois na França e na Itália. Em Roma é encontrada desde 1350.

No Brasil, a primeira procissão de Corpus Christi foi em 1961, em Brasília. Hoje várias cidades brasileiras organizam procissões que percorrem vias públicas enfeitadas com tapetes feitos de areia ou serragem colorida, formando desenhos religiosos. A tradição de enfeitar as ruas surgiu em Ouro Preto, Minas Gerais.

Todos os anos o dia de Corpus Christi acontece em uma data diferente. Isto porque ele é realizado numa quinta-feira seguinte ao domingo da Santíssima Trindade que, por sua vez, acontece no domingo seguinte ao de Pentecostes. Só lembrando, Pentecostes acontece 50 dias após o domingo de Páscoa.

Para quem quiser conferir, veja a programação de algumas cidades. E bom dia de Corpus Christi !!!

Veja os tapetes da procissão deste ano.

quarta-feira, 2 de junho de 2010

Portais do Futuro.


Quer abrir portas? Então pegue uma chave velha e a enterre junto com um cristal transparente, se possível banhado em água de chuva. No dia seguinte, desenterre somente o cristal e coloque-o num saquinho de pano ou veludo azul. Carregue-o consigo para quando precisar abrir “portas”. E quando isso acontecer segure-o com força fazendo o pedido à Deusa Syn.

Hoje, dia 2 de junho, é o dia dessa deusa no calendário da mitologia nórdica. Também chamada de escandinava, germânica ou viking. O fato é que essa deusa é guardiã das portas dos mundos mágicos. E o seu conselho é para que ao encontrarmos a porta fechada, não tentemos abri-la usando a força física. Ou seja, ao invés de arrombá-la devemos encontrar a chave.

Conta a lenda que no limiar dos mundos, no Palácio Fensalir, cercado por pântanos e escondido pela névoa, vive a deusa Frigga, que conhece os desígnios de todos os seres. Mas ela, sentada em seu trono de cristal, fica em silêncio, não revela futuro e nem faz profecias. Syn é uma das suas 12 acompanhantes e é justamente quem tem a chave para abrir o mundo mágico. O mundo dos desígnios. Ela é guardiã dos limites e de tudo o que precisa ficar escondido ou fechado.

Por isso, para abrir a porta do mundo dos seus sonhos ou do que está por vir, use a senha, o cristal transparente, e faça o pedido a ela.

Hoje é o último dia da lua cheia. Amanhã estaremos entrando na lua minguante. Aproveite para ponderar o que fazer com a colheita, distribuí-la de maneira a garantir a segurança do seu futuro. Será tempo de colher benefícios. E se encontrar algum obstáculo, use o cristal. Nem que seja mentalmente. Pensar de forma criativa pode transformar seu problema em oportunidades de futuro.

terça-feira, 1 de junho de 2010

Espelho meu, mal me quer, bem me quer?


Determinados objetos na nossa casa não passam de figuração. Mas há objetos que além de enfeitarem nossa sala, nosso quarto, corredor... também podem nos trazer bons fluídos. Vamos falar de Feng Shui !!!!

Feng Shui é uma técnica chinesa milenar de harmonização de ambientes. E existe toda uma ciência por trás disso que engloba números, cálculos, animais sagrados, pontos cardeais...

Quando as pessoas me perguntam sobre como fazer um feng shui na casa delas, a primeira coisa que peço para me dizerem é: onde está posicionado o espelho no seu quarto?

O espelho é um dos objetos que mais gosto de falar porque ele tanto pode ajudar muitíssimo no direcionamento de energia pela casa como também pode atrapalhar demais o nosso sono.

Colocado na porta da rua, afasta inveja, mau olhado. Colocado no hall de entrada, rebate energias negativas que porventura estejam querendo entrar na sua casa. Colocado na porta do seu banheiro, não deixa que energias boas desçam pelo ralo.

Os espelhos também são capazes de amplificar a energia de um lugar aumentando o raio de ação dela. Mas como pode atrapalhar o nosso sono?

É simples. O espelho não deve estar posicionado em frente a nossa cama. Não é superstição. A verdade é que quando dormimos nosso espírito (ou alma) fica liberto e o corpo então descansa. Mas caso o espírito se depare com sua imagem refletida no espelho ele volta repentinamente para seu corpo físico. Ele se assusta. É estranho imaginar isso, mas é assim que funciona. Depois ele tenta sair de novo e aquilo se repete algumas vezes durante a noite. A gente pode até não acordar nesse processo mas também não vai conseguir relaxar.

Quando o espelho está ao lado da cama, também produz o mesmo vai e volta porque muita gente dorme virada de lado. Na parede atrás da cama, não há problema.

Caso você tenha a frente de sua cama um espelho e não há outro lugar para colocá-lo, cubra-o com um lençol, uma canga ou o que for, apenas na hora de dormir. Isso já resolve. Em um ou dois dias é possível sentir a diferença.

Então, como você dorme, seu sono é tranquilo ou agitado?

Para quem mora em São Paulo, hoje o Senac está iniciando um curso de Feng Shui. Além do participante aprender sobre a técnica e sua aplicação, também será estimulado a desenvolver sua intuição. É verdade, feng shui também tem um pouco disso e aí, fica difícil explicar os porquês.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...