sábado, 11 de julho de 2020

Papa Pio I


Nascido em Aquileia, na Itália, Pius Desposyni, foi o décimo Papa da Igreja Católica. Antes de se tornar o Papa Pio I, jejuou e orou durante três dias consecutivos pedindo a Deus para que os fiéis romanos fizessem uma boa escolha na eleição para o novo pontífice. E foi ele o escolhido. Em alguns registros históricos, o consideram um dos príncipes antigos aparentados com Jesus, devido a sua filiação.

O Papa Pio I atuou numa época em que o cristianismo ainda era primitivo e os cristãos sofriam muitas perseguições. Mesmo assim, lutou para consolidar a presença e a soberania do catolicismo. À época, Roma teve como imperadores Antonino Pio e Marco Aurélio. Eles eram romanos não convertidos ao cristianismo. Isso dificultava seu objetivo de consolidação cristã. Pio I também teve problemas com os judeus convertidos e com os hereges. Entre estes, estava Marcião, o criador de uma seita cristã que rejeitava o Antigo Testamento por considerá-lo ultrapassado. Os adeptos do marcionismo, como era chamada a seita religiosa, faziam oposição entre justiça e amor, lei e evangelho. E também defendiam visões mais espiritualizadas dos evangelhos.

O papado de Pio I, que se iniciou no ano 142 d.C., durou cerca de 12 anos. Acabou no ano 155, quando Pio I foi martirizado por degolamento aos 55 anos de idade. O Papa Pio I foi quem criou a tradição de celebrar a Páscoa aos domingos e também o responsável pela construção de uma das igrejas mais antigas de Roma, a de Santa Pudenziana. A festa litúrgica de Pio I acontece no dia 11 de julho.


sexta-feira, 10 de julho de 2020

Santa Felicidade e os Sete Irmãos


A história registra que Felicidade teria sido uma das primeiras mártires cristãs a ser venerada como santa. Tendo nascido no ano 101, da Era Cristã, em Roma, durante o Império Romano, faleceu aos 64 anos.
 
Diz-se que Felicidade era uma viúva rica, piedosa e bastante dedicada à caridade. Por ter convertido muitos à fé cristã, provocou a ira de sacerdotes pagãos. Estes foram até o imperador romano, Marco Aurélio, lhe dizer que os deuses estavam furiosos com tal mulher e exigiram que ela e seus sete filhos fizessem sacrifícios. 

O imperador concordou e mandou que Felicidade fosse levada até o prefeito de Roma, Públio, para que este tomasse uma providência a respeito. Públio tentou fazer com que ela renegasse a fé cristã e passasse a adorar os deuses romanos. Mas, em vão. Também fez o mesmo com os sete filhos e estes, seguiram o exemplo da mãe.

Sem escolha, o prefeito entregou o destino da mãe e de seus filhos a quatro juízes, que os condenaram à morte sob diferentes martírios. Felicidade implorou a Deus que fosse a última a morrer para poder dar coragem e conforto aos seus filhos durante as torturas pelas quais eles passariam antes de morrerem. E assim foi feito. Felicidade foi a última a ser martirizada.

Os nomes dos sete irmãos eram: Januário, Félix, Filipe, Silvano, Alexandre, Vidal e Marcial. Assim como Felicidade, os irmãos foram considerados mártires do cristianismo, tornando-os santos, e celebrados em conjunto no dia 10 de julho.

quinta-feira, 9 de julho de 2020

Nossa Senhora do Rosário de Chiquinquirá


A história da devoção à Nossa Senhora do Rosário de Chiquinquirá, começou no século XVI, na Colômbia, à época das expedições dos conquistadores do Novo Mundo. Conta os registros, que o espanhol Dom Antonio de Santana, em 1560, foi chamado para administrar os povoados de Suta e Chiquinquirá. Como era dever dos administradores, Santana construiu uma casa com várias dependências para acolher a própria família, a administração dos colonos, dos escravos e dos índios que moravam ao redor dos povoados. E, como de costume, construiu também uma capela para os cultos religiosos. 

Como era devoto de Nossa Senhora do Rosário, Santana encomendou ao pintor espanhol, Alonso Narváez, um quadro com a imagem da Virgem do Rosário. Como a manta que serviu de tela era grande, Dom Antonio determinou que também fossem retratados Santo Antônio de Pádua e o apóstolo Santo André, posicionados um de cada lado de Nossa Senhora. Ao ficar pronta, a manta foi colocada numa moldura e exposta na capela. 

Após a morte de Dom Antonio, sua esposa, Juana de Santana, se mudou para Chiquinquirá, hoje município do distrito de Boyacá, levando consigo o quadro. No entanto, não o colocou na capela da nova propriedade. Dez anos depois, quando Maria Ramos, irmã do falecido Dom Antonio, veio morar com a cunhada, encontrou o quadro guardado num ambiente úmido e sem o devido cuidado. Maria limpou o quadro e, apesar de estar manchado e com a pintura envelhecida e descolorada, o colocou na capela. No dia seguinte, ao voltar para a capela na companhia de Isabel, uma índia cristã, a aparência da tela chamou a sua atenção. A pintura que antes estava perdendo a cor, parecia vibrante e cercada por pontos brilhantes. Maria Ramos e Isabel ficaram assombradas com a transformação na pintura e o brilho que envolvia a tela. As cores estavam tão claras que iluminavam toda a capela. Juana de Santana escutou suas vozes de exclamação e foi ver o que estava se passando. 

A pintura fora renovada sem que houvesse qualquer intervenção humana. Logo, este evento se espalhou pela vizinhança e devotos de toda parte acorreram para Chiquinquirá para ver o milagre da tela. Quando a informação chegou até as autoridades eclesiásticas, o arcebispo de Bogotá, Luís Zapata de Cárdenas, mandou construir uma Igreja para abrigar o objeto milagroso. Escolheram um local menos exposto aos terremotos e a chamaram de Basílica de Nossa Senhora do Rosário.

Quase três séculos depois, em 1829, o Papa Pio VII a declarou Padroeira da Colômbia e a canonização da sagrada imagem aconteceu em 9 de julho de 1919. A pintura original já foi vista por três pontífices. O Papa Paulo VI, em 1968, o Papa João Paulo II, em 1986, e o Papa Francisco, em 2017, consagrando a nação à Nossa Senhora do Rosário de Chiquinquirá.

quarta-feira, 8 de julho de 2020

Calma


Se você está no ponto de estourar mentalmente, silencie alguns instantes para pensar.
Se o motivo é moléstia no próprio corpo, a intranquilidade traz o pior.
Se a razão é enfermidade em pessoa querida, o seu desajuste é fator agravante.
Se você sofreu prejuízos materiais, a reclamação é bomba atrasada, lançando caso novo.
Se perdeu alguma afeição, a queixa tornará você uma pessoa menos simpática, junto de outros amigos.
Se deixou alguma oportunidade valiosa para trás, a inquietação é desperdício de tempo.
Se contrariedades aparecem, o ato de esbravejar afastará de você o concurso espontâneo.
Se você praticou um erro, o desespero é porta aberta a faltas maiores.
Se você não atingiu o que desejava, a impaciência fará mais larga a distância entre você e o objetivo a alcançar.
Seja qual for a dificuldade, conserve a calma, trabalhando, porque, em todo problema, a serenidade é o teto da alma, pedindo o serviço por solução.

Autor: André Luiz
Psicografia de Francisco Cândido Xavier

terça-feira, 7 de julho de 2020

Um Pensador Indiano


Um dia, um pensador indiano fez a seguinte pergunta a seus discípulos:

"Por que as pessoas gritam quando estão aborrecidas?"

"Gritamos porque perdemos a calma", disse um deles.

"Mas, por que gritar quando a outra pessoa está ao seu lado?" Questionou novamente o pensador.

"Bem, gritamos porque desejamos que a outra pessoa nos ouça", retrucou outro discípulo.

E o mestre volta a perguntar:

"Então não é possível falar-lhe em voz baixa?"

Várias outras respostas surgiram, mas nenhuma convenceu o pensador.
 
Então ele esclareceu:

"Vocês sabem porque se grita com uma pessoa quando se está aborrecido? O fato é que, quando duas pessoas estão aborrecidas, seus corações se afastam muito. Para cobrir esta distância precisam gritar para poderem escutar-se mutuamente.

Quanto mais aborrecidas estiverem, mais forte terão que gritar para ouvir um ao outro, através da grande distância. Por outro lado, o que sucede quando duas pessoas estão enamoradas? Elas não gritam. Falam suavemente. E por que? Porque seus corações estão muito perto. A distância entre elas é pequena. Às vezes estão tão próximos seus corações, que nem falam, somente sussurram. E quando o amor é mais intenso, não necessitam sequer sussurrar, apenas se olham, e basta. Seus corações se entendem. É isso que acontece quando duas pessoas que se amam estão próximas."
 
Por fim, o pensador conclui, dizendo:
 
"Quando vocês discutirem, não deixem que seus corações se afastem, não digam palavras que os distanciem mais, pois chegará um dia em que a distância será tanta que não mais encontrarão o caminho de volta".
 
(Mahatma Gandhi )

As 3+ visitadas da última semana