quinta-feira, 31 de janeiro de 2013

Como Nasce um Paradigma.

Um grupo de cientistas prendeu cinco macacos numa jaula, em cujo centro puseram uma escada e, sobre ela, um cacho de bananas. Quando um macaco subia a escada para apanhar as bananas, os cientistas lançavam um jato de água fria nos que estavam no chão. Depois de certo tempo, quando um macaco ia subir a escada, os outros enchiam-no de pancadas. Passado mais algum tempo, nenhum macaco subia mais a escada, apesar da tentação das bananas. Então, os cientistas substituíram um dos cinco macacos. A primeira coisa que ele fez foi subir a escada, da qual foi rapidamente retirado pelos outros, que o surraram. Depois de algumas surras, o novo integrante do grupo não mais subia a escada. Um segundo foi substituído, e o mesmo ocorreu, o primeiro substituto participou, com entusiasmo, da surra ao novato. Um terceiro foi trocado, e repetiu-se o fato. Um quarto e, finalmente, o último dos veteranos foi substituído. Os cientistas ficaram, então, com um grupo de cinco macacos que, mesmo nunca tendo tomado um banho frio, continuavam batendo naquele que tentasse chegar às bananas. Se fosse possível perguntar a algum deles porque batiam em quem tentasse subir a escada, com certeza a resposta seria: – Não sei, as coisas sempre foram assim por aqui... 

“É mais fácil desintegrar um átomo do que um preconceito” (Albert Einstein)

quarta-feira, 30 de janeiro de 2013

I Coríntios 14.

1.     Segui o amor, e procurai com zelo os dons espirituais, mas principalmente o de profetizar.
2.     Porque o que fala em língua desconhecida não fala aos homens, senão a Deus; porque ninguém o entende, e em espírito fala mistérios.
3.     Mas o que profetiza fala aos homens, para edificação, exortação e consolação.
4.     O que fala em língua desconhecida edifica-se a si mesmo, mas o que profetiza edifica a igreja.
5.     E eu quero que todos vós faleis em línguas, mas muito mais que profetizeis; porque o que profetiza é maior do que o que fala em línguas, a não ser que também interprete para que a igreja receba edificação.
6.     E agora, irmãos, se eu for ter convosco falando em línguas, que vos aproveitaria, se não vos falasse ou por meio da revelação, ou da ciência, ou da profecia, ou da doutrina?
7.     Da mesma sorte, se as coisas inanimadas, que fazem som, seja flauta, seja cítara, não formarem sons distintos, como se conhecerá o que se toca com a flauta ou com a cítara?
8.     Porque, se a trombeta der sonido incerto, quem se preparará para a batalha?
9.     Assim também vós, se com a língua não pronunciardes palavras bem inteligíveis, como se entenderá o que se diz? porque estareis como que falando ao ar.
10.  Há, por exemplo, tanta espécie de vozes no mundo, e nenhuma delas é sem significação.
11.  Mas, se eu ignorar o sentido da voz, serei bárbaro para aquele a quem falo, e o que fala será bárbaro para mim.
12.  Assim também vós, como desejais dons espirituais, procurai abundar neles, para edificação da igreja.
13.  Por isso, o que fala em língua desconhecida, ore para que a possa interpretar.
14.  Porque, se eu orar em língua desconhecida, o meu espírito ora bem, mas o meu entendimento fica sem fruto.
15.  Que farei, pois? Orarei com o espírito, mas também orarei com o entendimento; cantarei com o espírito, mas também cantarei com o entendimento.
16.  De outra maneira, se tu bendisseres com o espírito, como dirá o que ocupa o lugar de indouto, o Amém, sobre a tua ação de graças, visto que não sabe o que dizes?
17.  Porque realmente tu dás bem as graças, mas o outro não é edificado.
18.  Dou graças ao meu Deus, porque falo mais línguas do que vós todos.
19.  Todavia eu antes quero falar na igreja cinco palavras na minha própria inteligência, para que possa também instruir os outros, do que dez mil palavras em língua desconhecida.
20.  Irmãos, não sejais meninos no entendimento, mas sede meninos na malícia, e adultos no entendimento.
21.  Está escrito na lei: Por gente de outras línguas, e por outros lábios, falarei a este povo; e ainda assim me não ouvirão, diz o Senhor.
22.  De sorte que as línguas são um sinal, não para os fiéis, mas para os infiéis; e a profecia não é sinal para os infiéis, mas para os fiéis.
23.  Se, pois, toda a igreja se congregar num lugar, e todos falarem em línguas, e entrarem indoutos ou infiéis, não dirão porventura que estais loucos?
24.  Mas, se todos profetizarem, e algum indouto ou infiel entrar, de todos é convencido, de todos é julgado.
25.  Portanto, os segredos do seu coração ficarão manifestos, e assim, lançando-se sobre o seu rosto, adorará a Deus, publicando que Deus está verdadeiramente entre vós.
26.  Que fareis, pois, irmãos? Quando vos ajuntais, cada um de vós tem salmo, tem doutrina, tem revelação, tem língua, tem interpretação. Faça-se tudo para edificação.
27.  E, se alguém falar em língua desconhecida, faça-se isso por dois, ou quando muito três, e por sua vez, e haja intérprete.
28.  Mas, se não houver intérprete, esteja calado na igreja, e fale consigo mesmo, e com Deus.
29.  E falem dois ou três profetas, e os outros julguem.
30.  Mas, se a outro, que estiver assentado, for revelada alguma coisa, cale-se o primeiro.
31.  Porque todos podereis profetizar, uns depois dos outros; para que todos aprendam, e todos sejam consolados.
32.  E os espíritos dos profetas estão sujeitos aos profetas.
33.  Porque Deus não é Deus de confusão, senão de paz, como em todas as igrejas dos santos.
34.  As vossas mulheres estejam caladas nas igrejas; porque não lhes é permitido falar; mas estejam sujeitas, como também ordena a lei.
35.  E, se querem aprender alguma coisa, interroguem em casa a seus próprios maridos; porque é vergonhoso que as mulheres falem na igreja.
36.  Porventura saiu dentre vós a palavra de Deus? Ou veio ela somente para vós?
37.  Se alguém cuida ser profeta, ou espiritual, reconheça que as coisas que vos escrevo são mandamentos do Senhor.
38.  Mas, se alguém ignora isto, que ignore.
39.  Portanto, irmãos, procurai, com zelo, profetizar, e não proibais falar línguas.
40.  Mas faça-se tudo decentemente e com ordem.

terça-feira, 29 de janeiro de 2013

I Coríntios 13.

--> 1.     Ainda que eu falasse as línguas dos homens e dos anjos, e não tivesse amor, seria como o metal que soa ou como o sino que tine.
2.     E ainda que tivesse o dom de profecia, e conhecesse todos os mistérios e toda a ciência, e ainda que tivesse toda a fé, de maneira tal que transportasse os montes, e não tivesse amor, nada seria.
3.     E ainda que distribuísse toda a minha fortuna para sustento dos pobres, e ainda que entregasse o meu corpo para ser queimado, e não tivesse amor, nada disso me aproveitaria.
4.     O amor é sofredor, é benigno; o amor não é invejoso; o amor não trata com leviandade, não se ensoberbece.
5.     Não se porta com indecência, não busca os seus interesses, não se irrita, não suspeita mal;
6.     Não folga com a injustiça, mas folga com a verdade;
7.     Tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta.
8.     O amor nunca falha; mas havendo profecias, serão aniquiladas; havendo línguas, cessarão; havendo ciência, desaparecerá;
9.     Porque, em parte, conhecemos, e em parte profetizamos;
10.  Mas, quando vier o que é perfeito, então o que o é em parte será aniquilado.
11.  Quando eu era menino, falava como menino, sentia como menino, discorria como menino, mas, logo que cheguei a ser homem, acabei com as coisas de menino.
12.  Porque agora vemos por espelho em enigma, mas então veremos face a face; agora conheço em parte, mas então conhecerei como também sou conhecido.
13.  Agora, pois, permanecem a fé, a esperança e o amor, estes três, mas o maior destes é o amor.
 

segunda-feira, 28 de janeiro de 2013

I Coríntios 12.


1.     Acerca dos dons espirituais, não quero, irmãos, que sejais ignorantes.
2.     Vós bem sabeis que éreis gentios, levados aos ídolos mudos, conforme éreis guiados.
3.     Portanto, vos quero fazer compreender que ninguém que fala pelo Espírito de Deus diz: Jesus é anátema, e ninguém pode dizer que Jesus é o Senhor, senão pelo Espírito Santo.
4.     Ora, há diversidade de dons, mas o Espírito é o mesmo.
5.     E há diversidade de ministérios, mas o Senhor é o mesmo.
6.     E há diversidade de operações, mas é o mesmo Deus que opera tudo em todos.
7.     Mas a manifestação do Espírito é dada a cada um, para o que for útil.
8.     Porque a um pelo Espírito é dada a palavra da sabedoria; e a outro, pelo mesmo Espírito, a palavra da ciência;
9.     E a outro, pelo mesmo Espírito, a fé; e a outro, pelo mesmo Espírito, os dons de curar;
10.  E a outro a operação de maravilhas; e a outro a profecia; e a outro o dom de discernir os espíritos; e a outro a variedade de línguas; e a outro a interpretação das línguas.
11.  Mas um só e o mesmo Espírito opera todas estas coisas, repartindo particularmente a cada um como quer.
12.  Porque, assim como o corpo é um, e tem muitos membros, e todos os membros, sendo muitos, são um só corpo, assim é Cristo também.
13.  Pois todos nós fomos batizados em um Espírito, formando um corpo, quer judeus, quer gregos, quer servos, quer livres, e todos temos bebido de um Espírito.
14.  Porque também o corpo não é um só membro, mas muitos.
15.  Se o pé disser: Porque não sou mão, não sou do corpo; não será por isso do corpo?
16.  E se a orelha disser: Porque não sou olho não sou do corpo; não será por isso do corpo?
17.  Se todo o corpo fosse olho, onde estaria o ouvido? Se todo fosse ouvido, onde estaria o olfato?
18.  Mas agora Deus colocou os membros no corpo, cada um deles como quis.
19.  E, se todos fossem um só membro, onde estaria o corpo?
20.  Assim, pois, há muitos membros, mas um corpo.
21.  E o olho não pode dizer à mão: Não tenho necessidade de ti; nem ainda a cabeça aos pés: Não tenho necessidade de vós.
22.  Antes, os membros do corpo que parecem ser os mais fracos são necessários;
23.  E os que reputamos serem menos honrosos no corpo, a esses honramos muito mais; e aos que em nós são menos decorosos damos muito mais honra.
24.  Porque os que em nós são mais nobres não têm necessidade disso, mas Deus assim formou o corpo, dando muito mais honra ao que tinha falta dela;
25.  Para que não haja divisão no corpo, mas antes tenham os membros igual cuidado uns dos outros.
26.  De maneira que, se um membro padece, todos os membros padecem com ele; e, se um membro é honrado, todos os membros se regozijam com ele.
27.  Ora, vós sois o corpo de Cristo, e seus membros em particular.
28.  E a uns pôs Deus na igreja, primeiramente apóstolos, em segundo lugar profetas, em terceiro doutores, depois milagres, depois dons de curar, socorros, governos, variedades de línguas.
29.  Porventura são todos apóstolos? são todos profetas? são todos doutores? são todos operadores de milagres?
30.  Têm todos o dom de curar? falam todos diversas línguas? interpretam todos?
31.  Portanto, procurai com zelo os melhores dons; e eu vos mostrarei um caminho mais excelente.
 

domingo, 27 de janeiro de 2013

Oração à Santa Angela.


Hoje é dia da festa litúrgica de Santa Angela. Deixo abaixo uma oração em sua intenção:

Deus, nosso Pai, abre o nosso entendimento para compreendermos que a vida é sempre um acreditar mais uma vez; um ato de fé que fazemos a cada passo, a cada instante, a cada dia, até o último momento de nossa vida.
Santa Ângela a vós confiou toda a sua existência, os momentos tristes e felizes, os bons resultados e os fracassos, seus sonhos e pesadelos.
De vós recebeu amparo, socorro, proteção até o fim.
Quando tudo nos parecer adverso, quando o mundo nos parecer mau e perverso, ajudai-nos, ó Deus de Amor e de Ternura, a continuar acreditando, a ter forças para dar mais um passo.
Que saibamos o significado do que é viver plenamente a vida que nos destes: Amar-nos uns aos outros como Jesus nos amou.
Amém.

sábado, 26 de janeiro de 2013

I Coríntios 11.

1.     Sede meus imitadores, como também eu de Cristo.
2.     E louvo-vos, irmãos, porque em tudo vos lembrais de mim, e retendes os preceitos como vo-los entreguei.
3.     Mas quero que saibais que Cristo é a cabeça de todo o homem, e o homem a cabeça da mulher; e Deus a cabeça de Cristo.
4.     Todo o homem que ora ou profetiza, tendo a cabeça coberta, desonra a sua própria cabeça.
5.     Mas toda a mulher que ora ou profetiza com a cabeça descoberta, desonra a sua própria cabeça, porque é como se estivesse rapada.
6.     Portanto, se a mulher não se cobre com véu, tosquie-se também. Mas, se para a mulher é coisa indecente tosquiar-se ou rapar-se, que ponha o véu.
7.     O homem, pois, não deve cobrir a cabeça, porque é a imagem e glória de Deus, mas a mulher é a glória do homem.
8.     Porque o homem não provém da mulher, mas a mulher do homem.
9.     Porque também o homem não foi criado por causa da mulher, mas a mulher por causa do homem.
10.  Portanto, a mulher deve ter sobre a cabeça sinal de poderio, por causa dos anjos.
11.  Todavia, nem o homem é sem a mulher, nem a mulher sem o homem, no Senhor.
12.  Porque, como a mulher provém do homem, assim também o homem provém da mulher, mas tudo vem de Deus.
13.  Julgai entre vós mesmos: é decente que a mulher ore a Deus descoberta?
14.  Ou não vos ensina a mesma natureza que é desonra para o homem ter cabelo crescido?
15.  Mas ter a mulher cabelo crescido lhe é honroso, porque o cabelo lhe foi dado em lugar de véu.
16.  Mas, se alguém quiser ser contencioso, nós não temos tal costume, nem as igrejas de Deus.
17.  Nisto, porém, que vou dizer-vos não vos louvo; porquanto vos ajuntais, não para melhor, senão para pior.
18.  Porque antes de tudo ouço que, quando vos ajuntais na igreja, há entre vós dissensões; e em parte o creio.
19.  E até importa que haja entre vós heresias, para que os que são sinceros se manifestem entre vós.
20.  De sorte que, quando vos ajuntais num lugar, não é para comer a ceia do Senhor.
21.  Porque, comendo, cada um toma antecipadamente a sua própria ceia; e assim um tem fome e outro embriaga-se.
22.  Não tendes porventura casas para comer e para beber? Ou desprezais a igreja de Deus, e envergonhais os que nada têm? Que vos direi? Louvar-vos-ei? Nisto não vos louvo.
23.  Porque eu recebi do Senhor o que também vos ensinei: que o Senhor Jesus, na noite em que foi traído, tomou o pão;
24.  E, tendo dado graças, o partiu e disse: Tomai, comei; isto é o meu corpo que é partido por vós; fazei isto em memória de mim.
25.  Semelhantemente também, depois de cear, tomou o cálice, dizendo: Este cálice é o novo testamento no meu sangue; fazei isto, todas as vezes que beberdes, em memória de mim.
26.  Porque todas as vezes que comerdes este pão e beberdes este cálice anunciais a morte do Senhor, até que venha.
27.  Portanto, qualquer que comer este pão, ou beber o cálice do Senhor indignamente, será culpado do corpo e do sangue do Senhor.
28.  Examine-se, pois, o homem a si mesmo, e assim coma deste pão e beba deste cálice.
29.  Porque o que come e bebe indignamente, come e bebe para sua própria condenação, não discernindo o corpo do Senhor.
30.  Por causa disto há entre vós muitos fracos e doentes, e muitos que dormem.
31.  Porque, se nós nos julgássemos a nós mesmos, não seríamos julgados.
32.  Mas, quando somos julgados, somos repreendidos pelo Senhor, para não sermos condenados com o mundo.
33.  Portanto, meus irmãos, quando vos ajuntais para comer, esperai uns pelos outros.
34.  Mas, se algum tiver fome, coma em casa, para que não vos ajunteis para condenação. Quanto às demais coisas, ordená-las-ei quando for.
 

sexta-feira, 25 de janeiro de 2013

Oração da Conversão de São Paulo.

Hoje é dia da Conversão de São Paulo, Apóstolo. Deixo abaixo uma oração: 

Ao peso do mal vergados, São Paulo, por ti clamamos; da graça o penhor eterno, que salva, te suplicamos. 
Outrora oprimindo a Igreja, tocou-se o divino amor. 
E aqueles que perseguias abraças qual defensor. 
Daquele primeiro amor conserva a fiel lembrança. 
Aos tíbios e fracos traze a graça e a esperança. 
Floresça por teu socorro o amor que ignora o mal; as rixas não o perturbem, nem erro nenhum fatal.
Ó vítima que agrada aos céus, dos povos amor e luz, fiel defensor da Igreja, protege-a, e a nós conduz. 
Louvor à Trindade eterna, hosanas, poder, vitória. 
O prêmio do bom combate contigo nos dê, na glória.

Fonte: Santo Protetor

quinta-feira, 24 de janeiro de 2013

I Coríntios 10.

1.     Ora, irmãos, não quero que ignoreis que nossos pais estiveram todos debaixo da nuvem, e todos passaram pelo mar.
2.     E todos foram batizados em Moisés, na nuvem e no mar,
3.     E todos comeram de uma mesma comida espiritual,
4.     E beberam todos de uma mesma bebida espiritual, porque bebiam da pedra espiritual que os seguia; e a pedra era Cristo.
5.     Mas Deus não se agradou da maior parte deles, por isso foram prostrados no deserto.
6.     E estas coisas foram-nos feitas em figura, para que não cobicemos as coisas más, como eles cobiçaram.
7.     Não vos façais, pois, idólatras, como alguns deles, conforme está escrito: O povo assentou-se a comer e a beber, e levantou-se para folgar.
8.     E não nos prostituamos, como alguns deles fizeram; e caíram num dia vinte e três mil.
9.     E não tentemos a Cristo, como alguns deles também tentaram, e pereceram pelas serpentes.
10.  E não murmureis, como também alguns deles murmuraram, e pereceram pelo destruidor.
11.  Ora, tudo isto lhes sobreveio como figuras, e estão escritas para aviso nosso, para quem já são chegados os fins dos séculos.
12.  Aquele, pois, que cuida estar em pé, olhe não caia.
13.  Não veio sobre vós tentação, senão humana; mas fiel é Deus, que não vos deixará tentar acima do que podeis, antes com a tentação dará também o escape, para que a possais suportar.
14.  Portanto, meus amados, fugi da idolatria.
15.  Falo como a entendidos; julgai vós mesmos o que digo.
16.  Porventura o cálice de bênção, que abençoamos, não é a comunhão do sangue de Cristo? O pão que partimos não é porventura a comunhão do corpo de Cristo?
17.  Porque nós, sendo muitos, somos um só pão e um só corpo, porque todos participamos do mesmo pão.
18.  Vede a Israel segundo a carne; os que comem os sacrifícios não são porventura participantes do altar?
19.  Mas que digo? Que o ídolo é alguma coisa? Ou que o sacrificado ao ídolo é alguma coisa?
20.  Antes digo que as coisas que os gentios sacrificam, as sacrificam aos demônios, e não a Deus. E não quero que sejais participantes com os demônios.
21.  Não podeis beber o cálice do Senhor e o cálice dos demônios; não podeis ser participantes da mesa do Senhor e da mesa dos demônios.
22.  Ou irritaremos o Senhor? Somos nós mais fortes do que ele?
23.  Todas as coisas me são lícitas, mas nem todas as coisas convêm; todas as coisas me são lícitas, mas nem todas as coisas edificam.
24.  Ninguém busque o proveito próprio; antes cada um o que é de outrem.
25.  Comei de tudo quanto se vende no açougue, sem perguntar nada, por causa da consciência.
26.  Porque a terra é do Senhor e toda a sua plenitude.
27.  E, se algum dos infiéis vos convidar, e quiserdes ir, comei de tudo o que se puser diante de vós, sem nada perguntar, por causa da consciência.
28.  Mas, se alguém vos disser: Isto foi sacrificado aos ídolos, não comais, por causa daquele que vos advertiu e por causa da consciência; porque a terra é do Senhor, e toda a sua plenitude.
29.  Digo, porém, a consciência, não a tua, mas a do outro. Pois por que há de a minha liberdade ser julgada pela consciência de outrem?
30.  E, se eu com graça participo, por que sou blasfemado naquilo por que dou graças?
31.  Portanto, quer comais quer bebais, ou façais outra qualquer coisa, fazei tudo para glória de Deus.
32.  Portai-vos de modo que não deis escândalo nem aos judeus, nem aos gregos, nem à igreja de Deus.
33.  Como também eu em tudo agrado a todos, não buscando o meu próprio proveito, mas o de muitos, para que assim se possam salvar.
 

quarta-feira, 23 de janeiro de 2013

I Coríntios 9.

1.     Não sou eu apóstolo? Não sou livre? Não vi eu a Jesus Cristo Senhor nosso? Não sois vós a minha obra no Senhor?
2.     Se eu não sou apóstolo para os outros, ao menos o sou para vós; porque vós sois o selo do meu apostolado no Senhor.
3.     Esta é minha defesa para com os que me condenam.
4.     Não temos nós direito de comer e beber?
5.     Não temos nós direito de levar conosco uma esposa crente, como também os demais apóstolos, e os irmãos do Senhor, e Cefas?
6.     Ou só eu e Barnabé não temos direito de deixar de trabalhar?
7.     Quem jamais milita à sua própria custa? Quem planta a vinha e não come do seu fruto? Ou quem apascenta o gado e não se alimenta do leite do gado?
8.     Digo eu isto segundo os homens? Ou não diz a lei também o mesmo?
9.     Porque na lei de Moisés está escrito: Não atarás a boca ao boi que trilha o grão. Porventura tem Deus cuidado dos bois?
10.  Ou não o diz certamente por nós? Certamente que por nós está escrito; porque o que lavra deve lavrar com esperança e o que debulha deve debulhar com esperança de ser participante.
11.  Se nós vos semeamos as coisas espirituais, será muito que de vós recolhamos as carnais?
12.  Se outros participam deste poder sobre vós, por que não, e mais justamente, nós? Mas nós não usamos deste direito; antes suportamos tudo, para não pormos impedimento algum ao evangelho de Cristo.
13.  Não sabeis vós que os que administram o que é sagrado comem do que é do templo? E que os que de contínuo estão junto ao altar, participam do altar?
14.  Assim ordenou também o Senhor aos que anunciam o evangelho, que vivam do evangelho.
15.  Mas eu de nenhuma destas coisas usei, e não escrevi isto para que assim se faça comigo; porque melhor me fora morrer, do que alguém fazer vã esta minha glória.
16.  Porque, se anuncio o evangelho, não tenho de que me gloriar, pois me é imposta essa obrigação; e ai de mim, se não anunciar o evangelho!
17.  E por isso, se o faço de boa mente, terei prêmio; mas, se de má vontade, apenas uma dispensação me é confiada.
18.  Logo, que prêmio tenho? Que, evangelizando, proponha de graça o evangelho de Cristo para não abusar do meu poder no evangelho.
19.  Porque, sendo livre para com todos, fiz-me servo de todos para ganhar ainda mais.
20.  E fiz-me como judeu para os judeus, para ganhar os judeus; para os que estão debaixo da lei, como se estivesse debaixo da lei, para ganhar os que estão debaixo da lei.
21.  Para os que estão sem lei, como se estivesse sem lei (não estando sem lei para com Deus, mas debaixo da lei de Cristo), para ganhar os que estão sem lei.
22.  Fiz-me como fraco para os fracos, para ganhar os fracos. Fiz-me tudo para todos, para por todos os meios chegar a salvar alguns.
23.  E eu faço isto por causa do evangelho, para ser também participante dele.
24.  Não sabeis vós que os que correm no estádio, todos, na verdade, correm, mas um só leva o prêmio? Correi de tal maneira que o alcanceis.
25.  E todo aquele que luta de tudo se abstém; eles o fazem para alcançar uma coroa corruptível; nós, porém, uma incorruptível.
26.  Pois eu assim corro, não como a coisa incerta; assim combato, não como batendo no ar.
27.  Antes subjugo o meu corpo, e o reduzo à servidão, para que, pregando aos outros, eu mesmo não venha de alguma maneira a ficar reprovado.
 

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...