sexta-feira, 7 de janeiro de 2011

Mahâbhârata.

Mahâbhârata quer dizer em sânscrito: “A Grande Guerra” ou também pode ser interpretado como "A Grande História da Humanidade".

É um famoso poema épico da Índia que conta os fatos ocorridos nos últimos períodos da Idade que antecedeu à nossa, a Idade chamada Dvâpara-yuga, há 5.000 anos.

Os 220.000 versos que existem no Mahâbhârata foram compostos, segundo se acredita, por Krishna Dvaipâyana ou Veda Vyasa, um eremita com trajes de mendigo que vez ou outra participa da história. Há também um menino e o Deus Ganesha, que escreve os relatos no livro.

É um texto erudito e relata a disputa dinástica entre dois grupos de primos que culmina numa batalha apocalíptica, colocando em risco toda a humanidade.

A narrativa traz consigo histórias que fornecem uma base social, moral e cosmológica aos combates.

A obra discute assim, as três metas da vida humana: kama - o desfrute sensorial, artha - o desenvolvimento econômico e dharma - religiosidade mundana, que se resumem em códigos de conduta moral e rituais. Estabelece também os métodos de desenvolvimento espiritual.

O seu sentido verdadeiro é o de elucidar o grande trajeto percorrido pelo Eu tanto no plano físico quanto no astral.

Logo no início, Mahâbhârata anuncia o seu caráter excepcional: “O que for encontrado aqui, pode ser encontrado em qualquer outro lugar. Mas o que não for encontrado aqui, jamais será encontrado em outro lugar.”

A imagem veio daqui.

3 comentários:

  1. Bom Dia Cecile!
    220.000 versos, quanto tempo levarímos para lê-los? Creio que uma vida,pois não conseguimos ler 24h seguidas né!
    Bom saber....
    Bjs de sexta com a casa novamente de pernas para o ar.... são as tais reformas..... Porque...Por quê....Por que!!!!!

    ResponderExcluir
  2. Quanto mais passo por aqui, mas aprendo os mistérios da vida e da história.
    Ah, de grande guerra eu entendo.
    Bjs

    ResponderExcluir
  3. Bom dia Vera, Eliane!
    Vera, são muitos versos mesmo. Existe um filme com o mesmo nome, de Peter Brook, de 1989, onde os atores são de nacionalidade e raças variadas, para indicar a universalidade dos temas tratados neste livro. Não vi o filme, mas deve ser interessante.
    Eliane, os mistérios não terminam, não é, rsrs.
    Bj bj em vocês!

    ResponderExcluir

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...